Publicidade

Correio Braziliense

''Moro se comportou como chefe dos procuradores'', diz Greenwald

Em comissão na câmara, o jornalista afirmou ter ''muito mais material'' de conversas do ministro com procuradores


postado em 25/06/2019 17:39

(foto: Vinicius Loures/Câmara dos Deputados)
(foto: Vinicius Loures/Câmara dos Deputados)


Durante uma audiência na tarde desta terça-feira (25/6) na Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara dos Deputados, o jornalista Glenn Greenwald, fundador do The Intercept Brasil, comentou sobre a publicação das mensagens entre Moro e Deltan Dallagnol, procurador da Lava-Jato.

Questionado pelos deputados, Greenwald afirmou que os materiais já divulgados e que ainda serão veiculados, mostram que Moro era o chefe da Força Tarefa da Lava Jato. "Nas mensagens, ele está o tempo todo mandando o que os procuradores deveriam fazer. Depois, fingia em tribunal que era neutro. Já mostramos isso e vai ter muito mais material que vai mostrar. Ele não se comportou como juiz, mas como chefe dos procuradores", apontou.

O jornalista disse ainda que, quando Sérgio Moro foi chamado a se explicar sobre o conteúdo das mensagens era como 'se ele tivesse uma espécie de doença na memória'. "Ele não reconhece nada do que ele fez. Mas reconheceu que fez a sugestão para Dallagnol. Ele admitiu que essas aspas eram autênticas. Isso mostra que Sergio Moro não às vezes quebrou o código de ética, em episódios isolados, mas mandava no que deveria ser feito".

Greenwald disse que Moro tenta 'ameaçar, intimidar e criminalizar' o trabalho jornalístico realizado. "Ele tem nos chamando de aliados de hackers, dizendo que temos envolvimento no crime para pegar os documentos. Está tentando nos ameaçar.  Se eu tivesse o mínimo de envolvimento acham que eu ficaria aqui?Poderia sair do país a qualquer qualquer momento e publicar de outro país. Mas estou aqui. Eu sei, Moro também, que ele está mentindo. 

Ele deve parar com essa tática contra a liberdade de imprensa, essa tática não vai funcionar a não ser estragar a imagem do país internacionalmente. O material vai continuar sendo reportado e não há nada que Moro faça. Essa reportagem é fundamental para enfraquecer a corrupção", destacou.

A transmissão da audiência foi retirada do ar pela TV Câmara e está sendo transmitida apenas pelo Youtube. A decisão foi da Secom da Casa.

Sergio Moro também tinha visita agendada à Câmara para a quarta-feira, mas adiou por causa de uma viagem aos Estados Unidos. Na semana passada, Moro foi à Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado, onde respondeu a perguntas por quase nove horas.
 
 
 
 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade