Publicidade

Correio Braziliense

Presidente do ICMBio quer policiais militares nas unidades de conservação

Coronel da PM chamou colegas de força inativos para gerir as UAs. Funcionários de carreira falam em aparelhamento e alertam para a inexperiência


postado em 28/06/2019 13:40 / atualizado em 28/06/2019 17:58

Funcionários protestam em frente ao Ministério do Meio Ambiente contra destratos do ministro e de Bolsonaro(foto: Ed Alves/CB/D.A Press)
Funcionários protestam em frente ao Ministério do Meio Ambiente contra destratos do ministro e de Bolsonaro (foto: Ed Alves/CB/D.A Press)
 

Pedidos de indicação de policiais militares para a gestão de unidades de conservação, e concentração dos poderes do Instituto Chico Mendes de Biodiversidade (ICMBio) no conselho diretor. Essas foram as duas últimas iniciativas do presidente do instituto, o coronel da PM paulista Homero de Giorge Cerqueira, cercado, por sua vez de outros PMs que também já trabalharam com o ministro Ricardo Salles na Secretaria de Meio Ambiente de São Paulo. Segundo funcionários, com as iniciativas, há o risco de pessoas inexperientes assumirem cargos técnicos importantes para a conservação dessas unidades. Eles também falam em  aparelhamento e risco de um congelamento das atividades por dificuldades burocráticas.

O comunicado do coronel com os pedidos de indicação vazaram na manhã de ontem. Segundo Cerqueira, “o caráter técnico-pragmático de tais profissionais poderiam contribuir em fomentar o desenvolvimento desta importante estratégia que é a definição de espaços territoriais especialmente protegidos, representados pelas UC”. Já a concentração dos poderes do órgão exclusivamente com o conselho diretor é fruto da Portaria Número 298 de 26 de junho de 2009, publicada na edição de quinta-feira no Diário Oficial da União.

Nesse caso, os gestores terão como atribuições desde a elaboração ou revisão de planos de manejo de Unidades de Conservação, até a constituição ou alteração de conselhos consultivos e deliberativos de Unidades de Conservação. O clima de Salles e o coronel com os funcionários de carreira já é azedo há tempos. O corpo técnico do ICMBio reclama de um desmonte do órgão e sofre com ofensas postadas pelo próprio ministro, em suas redes sociais, além de desmandos do gestor e até do próprio Jair Bolsonaro.

Secretária executiva da Associação Nacional dos Servidores Ambientais (Ascema), Elizabeth Uema alerta que os policiais militares não são treinados para lidar com os conflitos e contravenções do mesmo modo que os servidores do ICMBio. “Primeiro tem que saber identificar o crime ambiental, segundo, saber como lidar. Os servidores tem esse treinando. Você não lida com pequenos pescadores do mesmo jeito que grandes infratores”, alerta.

Sobre a portaria, a representante afirma que a iniciativa poderá paralisar o órgão. “É humanamente impossível concentrar todas as demandas, fazer funcionar. Isso, pra gente, pode burocratizar e paralisar o órgão”, afirma Elizabeth. Procurado para se manifestar sobre as iniciativas e reclamações de funcionários, o Ministério do Meio Ambiente não respondeu à reportagem do Correio.

Presidente da Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável da Câmara, o deputado Rodrigo Agostinho (PSB-SP), também faz críticas às iniciativas. “Não tenho nada contra os militares. Mas é preciso privilegiar a parte técnica na gestão das unidades de conservação. E precisa ser uma pessoa daquela região, que conhece as relações ambientais, os atores. Não faz sentido pegar alguém do Rio Grande do Sul e mandar para a Amazônia. É preciso que a pessoa saiba a realidade local, conheça os atores e a legislação”, destaca.

A reportagem pediu que o Ministério do Meio Ambiente para comentar a iniciativa e aguarda uma resposta.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade