Publicidade

Correio Braziliense

Câmara rejeita requerimento que pedia para adiar votação da reforma

Proposta foi protocolada pela bancada do Psol na casa. Cerca de 334 parlamentares votaram contra o pedido


postado em 10/07/2019 14:10 / atualizado em 10/07/2019 14:10

(foto: Pablo Valadares/Câmara dos Deputados)
(foto: Pablo Valadares/Câmara dos Deputados)
O plenário da Câmara votou contra um novo requerimento para adiar a votação da PEC 6/2019 na tarde desta quarta-feira (10/7). A proposta da bancada do PSol foi encaminhada pelo líder do partido, Ivan Valente (SP). É o segundo pedido de retirada de pauta da oposição desde o início da votação, às 20h40 de ontem. Votaram contra o requerimento 334 parlamentares.

A mesa tem, ainda, outros cinco requerimentos semelhantes. O primeiro pedido foi feito pela bancada do PCdoB e foi considerado mais importante, por testar, pela primeira vez, o número de votos favoráveis à reforma da Previdência. Deputados rejeitaram a proposta por 331 votos, mostrando que o número de apoiadores calculado por governistas procede.

A oposição espera usar os destaques para levantar discussões sobre a reforma e mudar os votos de parlamentares indecisos. Ontem, o discurso era de que o governo estaria blefando sobre a quantidade de apoiadores. Hoje, a palavra de ordem é resistir. A intenção é evitar que a matéria seja votada em 1o e 2o turno na Câmara esse semestre.

O clima na esquerda também esquentou após o PDT ameaçar de expulsão os parlamentares que votarem a favor da reforma. Em contrapartida, o clima para os governistas é de otimismo, com expectativa que o texto da reforma seja aprovado em dois turnos e encaminhado para o Senado até o fim do semestre, que se encerra, na Casa, em 17 de julho.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade