Publicidade

Correio Braziliense

Bolsonaro: verba pública não pode ir para filmes como 'Bruna Surfistinha'

Entre os dez atos assinados pelo presidente nesta quinta-feira está um decreto que transfere o Conselho Superior do Cinema do Ministério da Cidadania para a Casa Civil


postado em 18/07/2019 20:42

(foto: Alan Santos/PR)
(foto: Alan Santos/PR)


O presidente da República, Jair Bolsonaro, aproveitou parte do discurso no evento de celebração de 200 dias de governo, nesta quinta-feira (18/7) para alfinetar a Agência Nacional do Cinema (Ancine), que pode ser transferida do Rio de Janeiro para Brasília. Para ele, o dinheiro público não pode ser utilizado para conteúdos audiovisuais que fazem “ativismo”, e citou o filme Bruna Surfistinha como exemplo. 

O longa metragem conta a história de uma mulher que fugiu de casa durante sua adolescência para se prostituir e usar drogas. O filme é protagonizado pela atriz Deborah Seco e tem direção de Marcus Baldini. 

“Agora pouco, o [ministro da Cidadania] Osmar Terra e eu fomos para um canto e nos acertamos. Não posso admitir que, com dinheiro público, se façam filmes como o da Bruna Surfistinha. Não dá. Ele apresentou propostas sobre a Ancine, para trazer para Brasilia. Não somos contra essa ou aquela opção, mas o ativismo não podemos permitir em respeito às famílias. É uma coisa que mudou com a chegada do governo”, disse Bolsonaro.

Entre os dez atos assinados nesta quinta-feira está um decreto que transfere o Conselho Superior do Cinema do Ministério da Cidadania para a Casa Civil. A intenção é fazer com que o Palácio do Planalto direcione políticas públicas.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade