Publicidade

Correio Braziliense

Integrante da Sociedade Secreta Silvestre tem plano para matar Bolsonaro

Grupo que já praticou três atentados a bomba em Brasília planeja matar o presidente da República


postado em 19/07/2019 12:02 / atualizado em 19/07/2019 12:08

Plano da SSS era matar Bolsonaro no dia da posse(foto: Carolina Antunes/PR)
Plano da SSS era matar Bolsonaro no dia da posse (foto: Carolina Antunes/PR)

 

Um integrante da Sociedade Secreta Silvestre (SSS) - grupo terrorista que já praticou pelo menos três atentados a bomba em Brasília e é procurado pela Polícia Federal há seis meses - foi entrevistado pela revista Veja e revelou que o grupo planeja matar o presidente da República.

 

O terrorista identificado por Anhangá estabeleceu contato pela deep web - uma área "clandestina" da internet irrastreável que é utilizada por muitos criminosos - por orientação do grupo e contou detalhes. De acordo com Anhangá, o SSS, que se exibe como "braço brasileiro" do Individualistas que Tendem ao Selvagem (ITS), o plano de matar o presidente Jair Bolsonaro é esboçado desde o momento em que foi eleito. 

 

A execução deveria ter acontecido no dia da posse, conta o integrante, mas o esquema de segurança montado pela polícia e pelo Exército dificultou o andamento da ação, fazendo com que a missão fosse adiada. "Vistoriamos a área antes. Mas ainda estava imprevisível. Não tínhamos certeza de como funcionaria", relata Anhangá. Poucos dias antes da cerimônia de posse, a SSS colocou uma bomba em frente a uma igreja católica localizada a 50 metros do Palácio do Planalto. O explosivo não explodiu por uma falha do detonador. No mesmo dia, o grupo publicou um vídeo na internet afirmando ser responsável pelo ataque e apresentando detalhes da bomba que só eram conhecidos por quem a construiu.

 

Nessa mesma postagem, o SSS anunciou o seu próximo alvo: o presidente eleito. A ameaça foi suficiente para levar as autoridades a sugerir que o desfile em carro aberto fosse cancelado.  “Facilmente poderíamos nos misturar e executar este ataque, mas o risco era enorme (…) então seria suicida. Não queríamos isso", conta Anhangá sobre a ação que contaria com explosivos e armas. “A finalidade máxima seriam disparos contra Bolsonaro ou sua família, seus filhos, sua esposa.”

 

Depois desse incidente, dois carros do Ibama foram incendiados em um posto do órgão em Brasília no mês de abril. Foram encontrados palitos de fósforo, restos de fita adesiva e vestígios de um líquido inflamável em meio aos escombros. Também havia, no local, pichações com ameaças de morte ao ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles. Outro vídeo foi publicado pelo grupo na internet clandestina (ou deep web) reivindicando o atentado e exibindo o material utilizado durante o ataque, confirmando a autoria. Segundo Anhangá, o acontecimento foi mais um aviso, só que desta vez endereçado ao ministro Ricardo Salles. “Salles é um cínico, e não descansará em paz, quando menos esperar, mesmo que saia do ministério que ocupa, a vez dele chegará. (…) É um lobo cuidando de um galinheiro”.

 

O integrante revela ainda que existe um terceiro alvo no governo, a ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos, Damares Alves. "[Ela] se tornou a cristã branca evangelizadora que prega o progresso e condena toda a ancestralidade. O Eco-extremismo é extremamente incompatível com o que prega o seu ministério", enfatiza.

 

Os terroristas brasileiros estão sendo monitorados pelas autoridades há algum tempo. O relatório intitulado "Informações sobre Sociedade Secreta Silvestre" produzido pela diretoria de inteligência da PF traz informações que, inclusive, não foram veiculadas pela mídia. Como uma bomba deixada na rodoviária de Brasília em 2017, atentado que não foi noticiado pela imprensa, mas teve detalhes revelados em um site do grupo chamado Sociedade Secreta Silvestre, assinados por um indivíduo identificado como Anhangá e até traduzidos para diversos idiomas.

 

Após a ameaça ao presidente Bolsonaro, a Polícia Federal decidiu, em dezembro, pôr no caso os melhores agentes da seção antiterrorismo. Os policiais já seguiram várias pistas e chegaram a prender três suspeitos, mas os integrantes do grupo ainda não foram identificados. Anhangá afronta "(Eles) são incompetentes (...). Não somos meros amadores, dominamos técnicas de segurança, de engenharia, de comportamento social. (...) Discutimos internamente com membros de outros países." “. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade