Publicidade

Correio Braziliense

Falta de articulação política do governo continua travando a economia

Após quase sete meses de governo, fraqueza da economia e diálogo truncado com políticos são os principais desafios do presidente Jair Bolsonaro


postado em 21/07/2019 07:00

Estratégia do Palácio do Planalto continua focada em convertidos e parlamentares ruralistas e evangélicos, sem ampliar a interlocução com demais líderes partidários(foto: Ronaldo de Oliveira/CB/D.A Press - 20/8/10)
Estratégia do Palácio do Planalto continua focada em convertidos e parlamentares ruralistas e evangélicos, sem ampliar a interlocução com demais líderes partidários (foto: Ronaldo de Oliveira/CB/D.A Press - 20/8/10)
Passados quase sete meses desde a posse, o presidente Jair Bolsonaro ainda não conseguiu fazer a economia deslanchar. Não fosse o empenho do Congresso para a aprovação da reforma da Previdência, que melhorou a expectativa do mercado, o fracasso seria geral. Não bastassem os entraves criados para a Previdência, com a falta de articulação política e as críticas do ministro da Economia, Paulo Guedes, a algumas modificações no texto do Executivo, o Palácio do Planalto dá sinais de que está disposto a travar um grande embate sobre reforma tributária com o Legislativo, que saiu na frente e tem várias propostas em tramitação. Para evitar mais incertezas no mercado, será necessária a construção de uma boa base de apoio em torno da proposta do Executivo, que ainda não foi apresentada.

A aprovação da reforma previdenciária em primeiro turno na Câmara dos Deputados, antes do recesso, animou o mercado, mas nada a ponto de mudar o pessimismo dos analistas a curto prazo.  A última mediana das expectativas divulgada pelo Banco Central prevê alta do PIB de 0,81% neste ano, inferior ao crescimento de 1,1% em 2018. A desaceleração da escancara as dificuldades do governo em manter a popularidade. A última pesquisa do Datafolha, em julho, aponta que 33% da população considera o governo como ótimo ou bom, o menor patamar dos presidentes em início de mandato. Considerando a margem de erro, de dois pontos percentuais para mais ou menos, Bolsonaro continua na mesma faixa de 35% de intenção de votos que tinha às vésperas do primeiro turno das eleições de 2018.

Em outras palavras, Bolsonaro continua prestigiado apenas pela base eleitoral que se mantém fiel a ele. Os votos “antipetistas” captados no segundo turno das eleições, entretanto, não se mantiveram. E Bolsonaro não tem se empenhado em reconquistar essa fatia perdida do eleitorado. Nas últimas três semanas, reforçou uma aproximação com as bancadas evangélica e ruralista — fiéis a ele desde o segundo turno das eleições —, em um processo que, politicamente, se mostra incapaz de dar respostas à economia.

Na prática, o presidente continua pregando só para aliados. Prestigiou ruralistas na solenidade alusiva aos 200 dias de governo, na quinta-feira, e se mantém  próximo dos evangélicos, a ponto de ter ido a um culto na sede internacional da Sara Nossa Terra, em Brasília, na sexta-feira (19/7). Movimentos que intensificam as costuras feitas com esses dois grupos em cafés da manhã no Planalto e fora da agenda oficial, além de um culto na Câmara, em julho.

O problema, alertam aliados de dentro e fora desses dois grupos, é que as amarrações políticas construídas por Bolsonaro não pacificam a relação com as lideranças partidárias. A costura do Executivo com ruralistas e evangélicos mapeia lideranças do Centrão — bloco político composto por PP, PRB e PL — para compor com a articulação governista. Mas, até o momento, tudo está no campo das conversas e nenhuma postura mais enfática foi adotada para dar poderes a novos interlocutores que possam fazer esse arranjo.

Sem diálogo

Ao não expandir os interlocutores e continuar ouvindo apenas os fiéis mais próximos, Bolsonaro mantém a articulação estagnada, como durante a votação da reforma da Previdência, conduzida pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ). E nada disso é positivo para a economia. A reforma tributária desenhada pela equipe econômica, por exemplo, sequer vem sendo discutida abertamente com as lideranças partidárias. “Nenhum  líder foi convidado para conhecer a reforma do governo”, critica o líder do Podemos na Câmara, José Nelto (GO).

O Podemos é o partido que apresentou destaque à reforma da Previdência para prever aposentadoria especial para policiais. A emenda foi aprovada por 467 votos, em uma costura capitaneada por Nelto e outros líderes. Ouvir lideranças e suas respectivas bancadas, é, para ele, algo que o governo deveria também ter adotado em relação à agenda econômica. “O governo está preso às redes sociais e às polêmicas ideológicas. Mas economia não se faz com isso. Seja de esquerda ou de direita, ideologia que não gera empregos está fadada ao fracasso. Bolsonaro deveria aproveitar o recesso parlamentar e chamar os líderes para discutir o que planeja. Ganharia tempo”, pondera o parlamentar.

Por ora, o governo sinaliza como prioridades, para estimular a economia, um modelo de saques anuais do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), pondo fim ao saque automático nas demissões sem justa causa. Ontem, Bolsonaro disse que os pequenos acertos dessa medida serão feitos nesta semana com a equipe econômica. 

A reforma tributária é uma outra vertente, conduzida à revelia do Congresso. “Na última reunião de ministros, foi decidido que vamos mandar em agosto, onde trataremos (da unificação) dos tributos federais, apenas. Ao longo de meus 28 anos (no Parlamento), quando se quis fazer reforma tributária onde estaria União, estados e municípios, não deu certo. Serve para palanque, discurso, e não se chega a lugar nenhum. Nós vamos fazer nossa parte e os estados e municípios que, porventura, acharem que sua lei que trata desse assunto está equivocada, que o faça”, declarou Bolsonaro na sexta-feira.

Corte de R$ 2,5 bi no Orçamento

O presidente Jair Bolsonaro disse, nesse sábado (20/7), que o governo vai anunciar uma “merreca” de corte, de R$ 2,5 bilhões, no Orçamento, em uma única pasta. Ele não disse qual. Em março, a tesourada para evitar um estouro na meta fiscal, que permite um rombo de até R$ 139 bilhões nas contas públicas, foi de R$ 30 bilhões. A equipe econômica vem sinalizando a necessidade de um novo contingenciamento neste mês, durante a divulgação do relatório bimestral de avaliação de receitas e despesas. Recentemente, reduziu de 1,6% para 0,8% a previsão de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) deste ano. Isso afetará a previsão de arrecadação, xriando necessidade de bloqueio de gastos. “Queremos evitar que o governo pare, dado que o nosso Orçamento é completamente comprometido. Deve ter um novo corte agora. O que deve acontecer é um novo corte de R$ 2,5 bilhões. Uma ‘merreca’. ”, disse.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade