Publicidade

Correio Braziliense

Bolsonaro chama de ''melancia'' general que criticou fala sobre nordestinos

O termo é comumente usado por militares da direita para se referir aos de esquerda, que seriam verdes por fora (cor da farda) e vermelhos por dentro


postado em 21/07/2019 15:07 / atualizado em 21/07/2019 15:08

(foto: Fernando Souza/AFP)
(foto: Fernando Souza/AFP)
O presidente Jair Bolsonaro usou o Twitter, neste domingo (21/7), para dizer que não criticou o povo nordestino, mas os governadores da região, especificamente Flávio Dino (PCdoB), governador do Maranhão. E, na mesma mensagem, atacou o general da reserva Luiz Rocha Paiva, que condenou as declarações do presidente.

"'Daqueles GOVERNADORES... o pior é o do Maranhão'. Foi o que falei reservadamente para um ministro. NENHUMA crítica ao povo nordestino, meus irmãos. Mas o melhor de tudo foi ver um único general, Luiz Rocha Paiva, se aliar ao PCdoB de Flávio Dino, p/ me chamar de antipatriótico", escreveu Bolsonaro, suprimindo alguns trechos de sua fala, como o uso do termo "paraíba".

Em seguida, o presidente publicou um segundo tuíte, chamando Paiva de "melancia", termo comumente usado por militares da direita para se referir aos de esquerda, que seriam verdes por fora (cor da farda) e vermelhos por dentro. "Sem querer descobrimos um melancia, defensor da Guerrilha do Araguaia, em pleno século XXI".
 

Relembre o caso

Na última sexta-feira (19/7), ao receber jornalistas estrangeiros para um café da manhã no Palácio do Planalto, Bolsonaro falou reservadamente com o ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, aparentemente sem perceber que o microfone da TV Brasil captava sua fala. "Daqueles governadores de ‘paraíba’, o pior é o do Maranhão; tem que ter nada para esse cara", afirmou.

Flávio Dino lamentou a declaração e pediu explicações. Segundo o governador, o comportamento do presidente teria sido incompatível com a Constituição.
 
Da ala militar, a reprovação veio do general Paiva, que falou ao jornal Estado de S. Paulo. Paiva considerou o comentário de Bolsonaro "antipatriótico” e “incoerente”. "Tem que ter calma, mas mostrar pra ele o quanto perdeu com essa grosseria com que menosprezou uma região do Brasil e seus habitantes. Um comentário antipatriótico e incoerente para quem diz 'Brasil acima de tudo'", afirmou o general, que foi integrante da Comissão da verdade.
 

Porto de Itaqui

Após essas declarações, o presidente Bolsonaro anunciou, também no Twitter, que o Porto de Itaqui, no Maranhão, estará conectado, por ferrovia, ao Porto de Santos, em até dois anos.

O presidente se refere à concessão de um trecho da Ferrovia Norte-Sul que liga Porto Nacional, em Tocantins, a Estrela d'Oeste, em São Paulo. O contrato, no valor de R$ 2,8 bilhões, será assinado ainda este mês, e o trecho no sentido norte entrará em operação imediatamente.

A expectativa do governo é que, até 2021, o trecho da ferrovia que liga os dois portos esteja operando plenamente nos dois sentidos.
 
 

"Em 2 anos o porto de Itaqui, no Maranhão, estará ligado, por ferrovia, ao porto de Santos. Em 4 anos faremos muito pelo Brasil e o até então esquecido Nordeste, apesar da mídia e alguns governadores", tuitou.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade