Publicidade

Correio Braziliense

A pedido da defesa, Polícia Federal adia depoimento de supostos hackers

Dois dos presos foram transferidos para a carceragem da corporação no Aeroporto de Brasília, por falta de espaço


postado em 24/07/2019 10:24 / atualizado em 24/07/2019 10:31

(foto: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)
(foto: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)
Pelo menos dois dos quatro presos por suspeita de envolvimento de invasão do celular do ministro da Justiça, Sérgio Moro, tiveram os depoimentos adiados. O advogado Ariovaldo Moreira, que defende o DJ Gustavo Henrique Elias Santos e uma mulher presa, identificada como Suellen Priscila de Oliveira, pediu que a dupla seja ouvida apenas na sua presença.

Em e-mail enviado à PF, Moreira informou que não autorizava o depoimento sem a presença dele ou de um advogado público. Ele acusa a corporação de dificultar a defesa dos clientes, alegando que só foi informado das prisões quando a dupla já estava em Brasília. 

Ele teria, então, que se deslocar de São Paulo até a capital federal. Moreira deve chegar no Distrito Federal nesta quarta-feira (24/7). Gustavo e Suellen foram levados para a carceragem da PF no Aeroporto Juscelino Kubitschek, por falta de espaço na Superintendência, localizada no Setor Policial Sul. Ariovaldo Moreira nega que os clientes sejam hackers.

As prisões foram autorizadas pelo juiz Vallisney de Souza Oliveira, da 10ª Vara Federal de Brasília. Além de Moro, eles são acusados de invadir o celular de outros juízes e de dois delegados. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade