Publicidade

Correio Braziliense

Bolsonaro sugere cancelamento de filme sobre sua própria campanha

Filme havia sido autorizado pela Ancine a captar captar R$ 530 mil em recursos, através da Lei do Audiovisual


postado em 25/07/2019 20:04

(foto: Mauro Pimentel/AFP)
(foto: Mauro Pimentel/AFP)
 
 
O presidente Jair Bolsonaro (PSL) afirmou na tarde desta quinta-feira (25/7) através do Twitter, que sugeriu o cancelamento da captação de recursos públicos para um filme sobre a própria campanha. Assinado pelo diretor pernambucano Josias Teófilo, filme que mostra a ascensão do conservadorismo e a raiz do governo Bolsonaro, intitulado Nem tudo se desfaz: como 20 centavos iniciaram uma revolução conservadora, foi autorizado pela Agência Nacional do Cinema a captar R$ 530 mil em recursos, através da Lei do Audiovisual. 
 
Bolsonaro ainda reforçou que estuda alterações na estrutura da Ancine ou o próprio encerramento das atividades do órgão. 



Na terça-feira (23/7) o porta voz da Presidência da República, Otávio Rêgo Barros confirmou que o governo estuda tirar o Fundo Setorial do Audiovisual da Ancine e transferir para o Ministério da Cidadania, na Secretaria especial de Cultura.

“O tema está em estudo pela auditoria jurídica do governo federal, especialmente pela SAJ (Subchefia de Assuntos Jurídicos), sob assessoria da Secretaria-Geral”.

Além disso, o porta-voz ressaltou que o presidente "não pretende censurar filmes da Ancine, mas não patrocinará filmes que atentem contra os valores éticos e morais que são tradicionais na nossa sociedade".

O presidente já havia sugerido que poderia extinguir a agência, caso não pudesse exercer um “filtro” sobre o que seria escolhido e que não poderia admitir que o dinheiro público fosse utilizado para filmes como o de Bruna Surfistinha. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade