Publicidade

Correio Braziliense

Hacker diz que pegou o telefone de Glenn Greenwald com Manuela D'Ávila

Walter Delgatti afirmou também em depoimento que repassou as informações ao The Intecept sem nenhum tipo de cobrança


postado em 26/07/2019 18:38 / atualizado em 26/07/2019 20:11

(foto: Reprodução)
(foto: Reprodução)
Em depoimento à Polícia Federal, Walter Delgatti Neto, acusado de invadir o celular do ministro Sérgio Moro e de outras autoridades, afirmou que obteve com a ex-deputada federal Manuela D'Ávila (PCdoB-RS) o contato do jornalista Glenn Greenwald, a quem teria passado a troca de mensagens entre o ex-juiz e procuradores da Lava-Jato. Ele disse ainda ter invadido os celulares dos ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff. A íntegra do depoimento foi obtida pela Globo News, que divulgou o teor do documento.

Delgatti contou aos investigadores que ligou para Manuela D'Ávila solicitando o contato de Greenwald. Diante da descrença dela em relação ao conteúdo que tinha em mãos, ele enviou o áudio de uma conversa entre dois procuradores do Paraná para comprovar que falava a verdade. Ele disse também que escolheu o jornalista do The Intercept para receber as mensagens em decorrência da atuação do profissional no vazamento de documentos secretos da NSA, nos Estados Unidos.

O suspeito afirmou também que repassou o conteúdo de conversas trocadas por Moro e procuradores para o jornalista sem realizar nenhuma cobrança, e destacou que não ocorreram encontros presenciais. Além disso, o suspeito afirmou que não repassou suas técnicas de invasão para os outros presos na Operação Spoofing, da PF. A prisão dos quatro acusados deve ser prorrogada por mais cinco dias pela Justiça Federal de Brasília.

Após a divulgação desses trechos do depoimento, Manuela D'Ávila se pronunciou por meio de uma nota à imprensa. Ela confirmou que passou o contato de Greenwald a uma pessoa cuja identidade ela desconhece. E acrescentou que o contato foi feito após esse indíviduo invadir seu celular. 

"Pela invasão do meu celular e pelas mensagens enviadas, imaginei que se tratasse de alguma armadilha montada por meus adversários políticos. Por isso, apesar de ser jornalista e por estar apta a produzir matérias com sigilo de fonte, repassei ao invasor do meu celular o contato do reconhecido e renomado jornalista investigativo Glenn Greenwald", escreveu (leia a íntegra da nota)." 

Diálogos

Ainda durante o depoimento, Walter Delgatti declarou que não alterou as mensagens que foram repassadas ao jornalista. De acordo com ele, a estrutura do Telegram, aplicativo em que estavam as contas invadidas, não permite que o conteúdo seja modificado.
 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade