Publicidade

Correio Braziliense

Hacker diz que não adulterou mensagens de Moro repassadas a site

A ex-deputada diz ter repassado para invasor o contato do jornalista Glenn Greenwald, do site The Intercept, que tem divulgado supostos diálogos do ministro Sérgio Moro com procuradores da Lava-Jato. Juiz prorroga prisão de suspeitos


postado em 27/07/2019 07:00

A ex-parlamentar, Manuela D'Ávila, foi candidata a vice-presidente da República na chapa do petista Fernando Haddad, nas eleições de outubro: ela se dispôs a entregar o celular para perícia(foto: AFP / Itamar AGUIAR)
A ex-parlamentar, Manuela D'Ávila, foi candidata a vice-presidente da República na chapa do petista Fernando Haddad, nas eleições de outubro: ela se dispôs a entregar o celular para perícia (foto: AFP / Itamar AGUIAR)
Em depoimento à Polícia Federal, o hacker Walter Delgatti Neto, um dos quatro detidos por invasão de celulares de autoridades da República, afirmou que obteve o contato do jornalista Glenn Greenwald, do The Intercept Brasil, por meio da ex-deputada Manuela D’Ávilla (PCdoB), candidata a vice-presidente da República na chapa do petista Fernando Haddad nas eleições de outubro. O site tem veiculado uma série de reportagens baseadas em supostos diálogos entre o ministro da Justiça, Sérgio Moro, e procuradores da força-tarefa da Operação Lava-Jato. Nesta sexta-feira (26/7), o juiz Vallisney de Souza Oliveira, da 10ª Vara Federal de Brasília, decidiu prorrogar por cinco dias a prisão preventiva de todos os detidos para preservar a investigação e impedir que eles interfiram nas diligências em andamento.

Delgatti afirmou no depoimento, divulgado pela Globo News, que ligou para Manuela D’Ávila pedindo o contato de Greenwald, mas que, diante da descrença dela em relação ao conteúdo vazado, enviou um áudio de uma conversa entre dois procuradores do Paraná para comprovar que falava a verdade. O acusado disse que se comunicou com o jornalista pelo aplicativo Telegram e que não pediu nem recebeu nenhum tipo de pagamento em troca dos dados que forneceu. Ele também contou que não repassou nenhum tipo de informação pessoal dele ao americano.

Procuradores da Lava-Jato e Sérgio Moro lançam dúvidas sobre a integridade das mensagens que são publicadas desde 9 de junho pelo Intercept. No entanto, o hacker negou que tenham sido realizadas edições do material. “(Walter Delgatti) disse que pode afirmar que não realizou qualquer edição dos conteúdos das contas de Telegram das quais teve acesso. Acredita não ser possível fazer a edição das mensagens do Telegram em razão do formato utilizado pelo aplicativo”, menciona um dos trechos do depoimento.

Em nota, Manuella D’Ávila confirmou que passou o contato de Greenwald, mas contradisse algumas declarações do hacker. A ex-deputada afirmou que foi comunicada pelo Telegram, em maio, de que o aparelho dela havia sido invadido no Estado da Virginia, nos Estados Unidos. Ela recebeu uma mensagem, e não uma ligação, como disse Walter, de uma pessoa que se identificou como alguém inserido na lista de contatos dela.

A pessoa teria informado que tinha obtido provas de graves atos ilícitos praticados por autoridades brasileiras. “Sem se identificar, mas dizendo morar no exterior, afirmou que queria divulgar o material por ele coletado para o bem do país, sem falar ou insinuar que pretendia receber pagamento ou vantagem de qualquer natureza”, disse Manuela na nota. “Pela invasão do meu celular e pelas mensagens enviadas, imaginei que se tratasse de alguma armadilha montada por meus adversários políticos. Por isso, apesar de ser jornalista e estar apta a produzir matérias com sigilo de fonte, repassei ao invasor do meu celular o contato do reconhecido e renomado jornalista investigativo Glenn Greenwald”, emendou.

A ex-deputada disse que desconhece, portanto, a identidade de quem invadiu o celular dela. “Desde já, me coloco à inteira disposição para auxiliar no esclarecimento dos fatos em apuração”, destacou. A ex-parlamentar ainda declarou que vai orientar os advogados a procederem a “imediata entrega das cópias das mensagens” à Polícia Federal. “Estou à disposição para prestar quaisquer esclarecimentos sobre o ocorrido e para apresentar meu aparelho celular à exame pericial”, frisou.

* Estagiária sob a supervisão de Cida Barbosa

Dificuldade

 

Em um relatório enviado à Justiça Federal, a PF afirmou que está prestes a acessar informações importantes para as investigações. Entre elas, estariam dados de celulares dos suspeitos. O aparelho usado pelos acusados, apesar de comum, dificulta o acesso às mensagens, o que demanda mais tempo de atividade para que os peritos consigam extrair o conteúdo.

 


Caso Snowden

O hacker disse que procurou Glenn Greenwald por causa da atuação dele no caso em que foram divulgados arquivos secretos da NSA, agência do governo dos Estados Unidos. O jornalista obteve de Edward Snowden, ex-analista de sistemas da NSA, dados sigilosos sobre a espionagem dos serviços de inteligência norte-americanas sobre outras nações. O alvo principal entre os países estrangeiros era o Brasil.

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade