Publicidade

Correio Braziliense

Bolsonaro defende que se tenha menos limitações para pesca

Uma das ideias do presidente é entregar para exploração estrangeira a baia de Angra, no Rio de Janeiro


postado em 01/08/2019 21:17 / atualizado em 01/08/2019 21:52

(foto: Facebook/Reprodução )
(foto: Facebook/Reprodução )
Durante live no Facebook na noite desta quinta-feira (1º/8), o presidente Jair Bolsonaro defendeu a revogação de leis que limitam a pesca no Brasil. Ao lado do Jorge Seif Júnior, secretário Nacional de Pesca e agricultura, o presidente afirmou que com menos limitação terá mais crescimento econômico. 
 
Jorge presenteou o presidente com ovas de tainha. "Em lugar nenhum do mundo é proibido e queriam proibir aqui", disse. Este ano, o Tribunal Regional Federal da 4ª Região tinha suspendido a safra industrial da tainha após o Ministério Público Federal alegar que a espécie estaria em risco de extinção devido à inabilidade da União de controlar em tempo real as cotas de captura. 

De acordo com o secretário, são gerados 1 milhão de empregos e US$ 6 milhões são injetados na economia com a pesca da tainha. "Até pouco tempo, a gente via drone sendo usado para multar pescador. O cara fica na salinha lá no ICMBio (Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade) só multando pescador", criticou Bolsonaro. 

Ele também citou o caso da baía de Angra, em que é proibida a pesca de arrasto e a caça submarina a menos de um quilômetro em torno de toda a Ilha Grande. Só é permitido pescar com linha e anzol dentro dessa área. "Tem países que querem investir desde que esse decreto seja revogado, construindo hóteis, portos, com zero custo para a União", afirmou. "Vamos acabar com essa psicose ambiental. Vamos fazer da baía de Angra uma Cancún”, afirmou. 

Outro mudanças proposta pelo governo, será a revogação da lei que proíbe a pesca de arrasto de fundo a uma distância inferior a 12 milhas náuticas da costa no Rio Grande do Sul. "Uma lei fundamentada no estudo de uma ONG e jogou vários pescadores na criminalidade. Todo mundo sabe que por fora das 12 milhas não se pesca camarão", explicou o secretário. 

O secretário ainda convocou para um evento em frente ao Ministério da Agricultura na quinta-feira (7/8) para um churrasco de tambaqui.

Mais polêmicas ambientais

O governo também quer afundar embarcações para gerar turismo. “Se você afundar uma embarcação a 100 metros da costa, vai ter um mergulho de contemplação”, explica. "Aeronaves, tanque de guerra, vagão, embarcação, vamos afundar, além de ajudar o ecossistema, tem esse turismo de mergulho", disse.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade