Publicidade

Correio Braziliense

Bolsonaro retoma privatização dos Correios em reunião com Floriano Peixoto

O presidente sinalizou que o modelo de privatização passará pelo Congresso, ao ressaltar que o STF tem um entendimento de que a venda da estatal só é possível passando pelo Parlamento


postado em 02/08/2019 09:47

(foto: Ed Alves/CB/D.A Press)
(foto: Ed Alves/CB/D.A Press)
O presidente Jair Bolsonaro se reúne nesta sexta-feira (2/8) com o presidente dos Correios, Floriano Peixoto, para tratar sobre assuntos da empresa. Dentro da pauta, estará a privatização. Na saída do Palácio da Alvorada, o chefe do Executivo federal demonstrou interesse em equacionar a saúde financeira da companhia, ainda que tenha que vendê-la. Citou a ameaça de greve da categoria e casos de corrupção na estatal. 

A reunião tem previsão de início às 10h e deve ir até às 10h30, no Palácio do Planalto. “Já está no radar a privatização há algum tempo”, destacou Bolsonaro. O presidente sinalizou que o modelo de privatização passará pelo Congresso, ao ressaltar que o Supremo Tribunal Federal (STF) tem um entendimento de que a venda da estatal só é possível passando pelo Parlamento. “Isso que entendemos”, disse. 

O capitão reformado lembrou que os Correios estava em ameaça de greve. “Não sei se entrou”, comentou. Em seguida, iniciou um discurso de críticas a gestões anteriores, com ênfase aos governos petistas. “Vocês sabem o que foi feito. O Mensalão começou nos Correios, lá atrás, e sempre foi um local onde havia aparelhamento político e foi saqueado os fundos de pensão”, criticou. 

Os funcionários da estatal, continuou Bolsonaro, perderam “muito com a contribuição deles para honrar as aposentadorias”. “(É um) problema que temos que resolver. E o Floriano é uma pessoa que foi pra lá exatamente para ajudar a fazer o melhor para os Correios. E, no momento, está fazendo o melhor, tentando recuperar a credibilidade que tinham lá antes do PT”, ponderou. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade