Publicidade

Correio Braziliense

STJ aceita queixa-crime contra desembargadora no caso Marielle

Após o assassinato da vereadora, a desembargadora Marília Castro Neves afirmou em rede social que Marielle estava "engajada com bandidos"


postado em 07/08/2019 18:40 / atualizado em 07/08/2019 18:53

(foto: Reprodução/Facebook)
(foto: Reprodução/Facebook)

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) aceitou, nesta quarta-feira (7/8), queixa-crime contra a desembargadora Marília Castro Neves, do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJRJ) por ofensas contra a vereadora Marielle Franco (RJ-PSol), assassinada em março do ano passado. 

 

Após a morte de Marielle, Neves afirmou em rede social que a vereadora "estava engajada com bandidos e que teria sido eleita com a ajuda de facções criminosas". A família da parlamentar entrou com uma ação contra a desembargadora pela ofensa. 

 

A desembargadora também ficou conhecida por criticar na internet a professora Débora Sebara, portadora de Síndrome de Down, e questionado a capacidade dela de exercer a profissão em sala de aula. 

 

Em abril do ano passado, Neves pediu desculpas nas redes sociais pelo caso de Marielle, de Débora e também para o ex-deputado federal Jean Wyllys (PSol-RJ) — após dizer que o político merecia ir para um paredão de fuzilamento.

 

 

 

 

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade