Publicidade

Correio Braziliense

Aras recua de usar verba pública e diz que pagará viagem ao Vaticano

Novo PGR pediu licença entre os dias 9 e 15 de outubro para acompanhar a canonização de Irmã Dulce. Ele viajará acompanhado de sua mulher, a subprocuradora-geral Maria das Mercês Gordilho Aras


postado em 04/10/2019 10:01 / atualizado em 04/10/2019 10:02

(foto: Evsristo Sá/AFP)
(foto: Evsristo Sá/AFP)
A viagem que o novo procurador-geral da República, Augusto Aras, fará neste mês ao Vaticano para acompanhar a canonização de Irmã Dulce será paga pelo próprio chefe do Ministério Público Federal. Inicialmente, o valor do deslocamento — estimado pela Secretaria de Cooperação Internacional da PGR em R$ 67,5 mil — seria bancado pelo Ministério Público.

Pelas estimativas, a passagem de Aras em classe executiva sairá por R$ 22,1 mil. O procurador-geral também abriu mão de sete diárias que a Procuradoria custearia, no valor de R$ 13,6 mil. Aras, que integrará a comitiva brasileira e participará do evento como representante do MPF, viajará acompanhado de sua mulher, a subprocuradora-geral Maria das Mercês Gordilho Aras. Ele pediu licença para sair do país entre os dias 9 e 15 de outubro para o evento.

Decano

Nessa quinta-feira (3/10), Aras fez sua "estreia" no Supremo Tribunal Federal. Ele aproveitou a sessão para dizer que tem "compromisso com a defesa da ordem jurídica e do regime democrático, dos interesses sociais e individuais indisponíveis, e está disponível ao diálogo respeitoso e institucional com os Poderes e a sociedade".

No mês passado, o decano do Supremo, Celso de Mello, afirmou que o Ministério Público "não serve a governos" nem "se subordina a partidos políticos". 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade