Publicidade

Correio Braziliense

União Parlamentar: declaração sobre Cobertura Universal da Saúde é aprovada

Documento orientará parlamentos de todo o mundo no sentido de alcançar meta da Organização Mundial de Saúde de cobertura universal de saúde até 2030. A proposta contou com a participação de uma deputada federal brasileira


postado em 16/10/2019 20:28 / atualizado em 17/10/2019 09:14

A deputada Mariana Carvalho entre Habibe Millat, de Bangladesh, e Christian Lohr, da Suíça, durante a 141ª Assembleia Nacional da União Interparlamentar(foto: Reprodução/Twitter)
A deputada Mariana Carvalho entre Habibe Millat, de Bangladesh, e Christian Lohr, da Suíça, durante a 141ª Assembleia Nacional da União Interparlamentar (foto: Reprodução/Twitter)
Os serviços essenciais de saúde devem alcançar toda população mundial até 2030. Para atingir essa meta estabelecida pela ONU e ratificada por líderes mundiais, parlamentares de 179 países deverão seguir diretrizes aprovadas nesta quarta-feira (16/10) durante a 141ª Assembleia Nacional da União Interparlamentar, em Belgrado, na Sérvia. 

Mais de 1.700 parlamentares e parceiros da ONU e da sociedade civil de todo o mundo participam da assembleia. O texto aprovado sobre a cobertura universal de saúde  deverá ser adotado por todos os parlamentos membros. A deputada federal brasileira Mariana Carvalho (PSDB-RO) foi uma das relatoras do documento, que norteará o trabalho dos parlamentos em todo o mundo no sentido de alcançar a meta de cobertura universal dos serviços de saúde, sem deixar ninguém para trás. 

O diretor-geral da Organização Mundial de Saúde (OMS), Tedros Ghebreyesus, destacou que é preciso dar atenção especial às questões de saúde a mulheres, crianças e adolescentes. Em uma mensagem aos parlamentares presentes, disse que cada um deles deve usar "sua posição e influência para gerar um movimento pela cobertura universal de saúde em seus parlamentos".

Tendo em vista que cerca de metade da população mundial não tem acesso a serviços básicos de saúde, líderes mundiais adotaram, em 23 de setembro, uma Declaração Política de Alto Nível das Nações Unidas (ONU) que se compromete a duplicar a cobertura de saúde até 2030. De acordo com a OMS, existe a necessidade de mais investimentos para superar "grandes falhas" ainda existentes no atendimento em saúde, especialmente em países mais pobres e naqueles afetados por conflitos. 

Segundo Tedros Ghebreyesus, os países precisam unir esforços para ampliar o acesso a serviços como imunização, atendimento pré-natal e promoção de hábitos de vida saudáveis. O acordo entre os líderes mundiais em setembro contou com a presença do ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, e representa uma tentativa de cumprir com o objetivo três da Agenda de Desenvolvimento Sustentável 2030, da ONU, que visa garantir "vidas saudáveis" e promover "o bem-estar para todos, em todas as idades".

No evento de agora, na União Interparlamentar, uma das principais discussões é exatamente como as casas de leis de cada país podem contribuir para que isso aconteça e a Cobertura Universal de Saúde (UHC) seja efetivamente alcançada. 

O documento apresentado durante a assembleia, sob relatoria da deputada Mariana Carvalho e de outros dois parlamentares (Habibe Millat, de Bangladesh, e Christian Lohr, da Suíça), estabelece objetivos claros que deverão ser perseguidos pelos parlamentos. 

A deputada brasileira explica que cada parlamentar que participa do encontro da UIP e se compromete com a resolução terá que trabalhar para que as medidas sejam adotadas em sua nação. “É a primeira vez que um deputado brasileiro relata uma resolução como essa. Além de poder representar o Brasil, tive a responsabilidade de definir, junto aos outros relatores, os objetivos que parlamentares de todo o mundo terão que perseguir para que toda a população mundial possa ter seu direito à saúde colocado em prática”, explicou a parlamentar rondoniense. 

A resolução

Entre diversos pontos, a resolução define que a cobertura universal deve garantir que os serviços de saúde serão prestados em condições de igualdade e não-discriminatória e que ninguém deve deixado para trás, em particular os mais vulneráveis, desfavorecidos, estigmatizados ou marginalizados, crianças, jovens, mulheres, idosos, povos indígenas, pessoas com deficiências, com doenças raras ou negligenciadas, migrantes, refugiados, pessoas em movimento, populações rurais, pessoas com problemas de saúde mental ou condições médicas pré-existentes, além daqueles que sofrem algum tipo de discriminação. 

O documento ainda define que o investimento na cobertura universal passa pelo investimento em recursos humanos, o que gera empregos e reduz desigualdades, além de orientar os parlamentos a equiparem as unidades de saúde. 

A resolução admite a dificuldade de alguns países de alcançar toda sua população com os serviços de saúde, mas garante que é viável. Desta forma, incentiva os parlamentos a tomarem todas as medidas políticas e legislativas para garantir a qualidade, a preços acessíveis à população, vencendo barreiras financeiras. 

Nesse sentido, determina que sejam implantados programas de prevenção e educação em saúde relacionados com o comportamento, tais como álcool e tabaco, saúde e segurança ocupacional, obesidade e doenças sexualmente transmissíveis;  ações de educação sexual e reprodutiva, materna, neonatal e adoção de serviços de saúde e nutrição do adolescente; instrumentos de incentivo a amamentação, campanhas de vacinação sistemática e intervenções de desenvolvimento da primeira infância, bem como pelo fornecimento de informações sobre e acesso ao maior número possível de métodos eficazes de planejamento familiar. 

O texto reconhece o peso da prestação dos cuidados em saúde para os países que têm acolhido milhões de refugiados e destaca a necessidade do comprometimento da comunidade internacional em auxiliar essas nações com mediadas sólidas. Exorta ainda parlamentos a tomar todas as medidas possíveis para assegurar a segurança sanitária mundial, impedindo a propagação de doenças e outros eventos de saúde pública, especialmente através de campanhas sistemáticas de imunização, bem como o reforço dos sistemas de vigilância.

* Estagiária sob supervisão de Roberto Fonseca

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade