Publicidade

Correio Braziliense

Ao 'Roda viva', Joice Hasselmann aponta interferências de Bolsonaro

A ex-líder do governo no Congresso acusou o presidente Jair Bolsonaro de interferir em questões internas do partido


postado em 21/10/2019 23:48

Joice Hasselmann(foto: Reproduçao)
Joice Hasselmann (foto: Reproduçao)
A deputada Joice Hasselmann (PSL-SP), ex-líder do governo no Congresso, acusou o presidente Jair Bolsonaro, durante entrevista entrevista na noite desta segunda-feira (21/10) ao programa Roda Viva, da TV Cultura, de interferir em questões internas do partido, a ponto de ligar para deputados com o objetivo de tornar um de seus filhos, Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), o novo líder da legenda na Câmara, em substituição a Delegado Waldir (PSL-GO). Essa mesma acusação foi feita por Waldir na semana passada, quando ele ameaçou "implodir" Bolsonaro e o chamou de "vagabundo", acusando o presidente de oferecer cargos e verbas do fundo partidário da legenda aos parlamentares.

 

“Eu quero que o nosso presidente se comporte como um grande estadista, não que passe as horas dele ligando para deputados dizendo ‘olha assina aqui a listinha do meu filho’, não dá”, disse a deputada, que foi retirada pelo presidente da liderança do governo no Congresso após assinar uma lista contra a indicação de Eduardo Bolsonaro para a liderança na Câmara. 

 

Durante a entrevista, Joice contou já ter alertado o presidente, em diferentes ocasiões, sobre o perigo representado para o governo pela influência dos filhos nas decisões do Palácio do Planalto. 

 

Ela também reafirmou que vai denunciar ao Ministério Público os ataques que tem sofrido nas redes sociais. Nos últimos dias, a parlamentar protagonizou uma troca de farpas com Eduardo Bolsonaro e com o vereador Carlos Bolsonaro (PSC), do Rio de Janeiro.  

 

Durante a entrevista, Joice defendeu o afastamento do senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) do mandato para que ele esclareça os indícios de movimentações financeiras atípicas e de crescimento patrimonial incompatível com os vencimentos como parlamentar. Ela fez essa mesma sugestão em relação ao ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, recentemente denunciado pelo Ministério Público por envolvimento com um esquema de candidaturas laranjas do PSL nas eleições do ano passado em Minas Gerais. Ela afirmou que a permanência do ministro gera um “desgaste” para o governo. 

 

Sobre Fabrício Queiroz, ex-assessor de Flávio e amigo da família Bolsonaro, a parlamentar afirmou que ele deveria se apresentar às autoridades para esclarecer as suspeitas de envolvimento com as supostas irregularidades atribuídas ao filho do presidente da República.

 

Joice disse ser contra a saída de Bolsonaro do PSL e assegurou que pretende continuar no partido, pelo qual deseja concorrer à prefeitura de São Paulo nas eleições do próximo ano. Acrescentou que continua fiel aos ideais da campanha presidencial de combate à corrupção e de moralização da política. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade