Publicidade

Correio Braziliense

'Estamos em período de gestão, não de eleição' diz Doria em visita a Mourão

Reunião ocorreu sem a presença de Bolsonaro, que cumpre agenda de viagens internacionais


postado em 22/10/2019 18:51

(foto: Ed Alves/CB/D.A Press)
(foto: Ed Alves/CB/D.A Press)
Após encontro com o presidente interino Hamilton Mourão no Palácio do Planalto, o governador de São Paulo, João Dória (PSDB), caracterizou a reunião como uma conversa técnica sobre temas de interesse do estado, como o Campo de Marte. O tucano defende a desativação do local. “Minha obrigação é defender a desativação para pouso e decolagem de aeronaves de pequeno porte, mantendo apenas pouso e decolagem de helicópteros. E a transformação desta área em parque público, preservando a área da Marinha e onde será implementado o colégio militar”, disse.

 

O segundo tema, afirmou, foi a viabilização da ponte que liga Santos ao Guarujá. O governo conseguiu uma outorga com a empresa Ecovias. No entanto, é necessária a autorização do governo federal uma vez que a ponte passa por cima do Porto de Santos é administrado pelo mesmo. Outro tema tratado foi sobre a cessão onerosa, que garante aos estados do Sul, Sudeste e Centro Oeste participação nos leilões do petróleo que serão realizados em breve.

 

A respeito da crise no PSL, o governador se limitou a dizer que deseja apenas que haja ‘uma boa solução’. “Tenho vários amigos no PSL e desejo que se encontre uma solução, mas prefiro não fazer comentários. Nós não temos interesse em ficar estimulando a saída de parlamentares do PSL, entendemos que as questões devam ser debatidas e até que se serene, o PSDB, não fará nenhum movimento. Não é legítimo, não é correto, nem é adequado neste momento, principalmente”, avaliou.

 

Doria ressaltou que Mourão teve o cuidado de informar a Jair Bolsonaro sobre o encontro, que poderia ser visto como afronto. Ele afirmou ainda que não tem nada contra o chefe do Executivo.

 

“O recebi em SP em uma cerimônia da PM. Fiz questão de ir e não tive o gesto da minha ausência que pudesse ser interpretado como separatismo, antagonismo ou qualquer outra posição. Estamos em pleno período de gestão, não estamos em período de eleição. Temos três anos e meio ainda pela frente. Temos que estar concentrados e focados na gestão, é isso que  a população que nos elegeu brasileira espera de nós. Que sejamos bons governadores e um bom presidente da república  Não é hora de debater eleição, não é hora de fazer reeleição, é hora de fazer gestão”, concluiu.

 

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade