Publicidade

Correio Braziliense

Bolsonaro diz que seu governo é o mais democrático dos últimos anos

Pronunciamento ocorreu durante a cerimônia de 300 dias do governo, no Palácio do Planalto


postado em 05/11/2019 20:37 / atualizado em 05/11/2019 20:40

(foto: Ed Alves/CB/D.A Press)
(foto: Ed Alves/CB/D.A Press)
O presidente da República, Jair Bolsonaro (PSL), afirmou na tarde desta terça-feira (5/11) que seu mandato é o ‘mais democrático dos últimos anos’. O pronunciamento ocorreu durante a cerimônia de 300 dias do governo, no Palácio do Planalto.

“O meu governo, eu duvido, que não seja o mais democrático dos últimos anos. Afinal de contas, eu nunca falei em controle social da mídia. Eu nunca falei que a internet deve ser domada. Sempre disse que, apesar de ser eu uma das maiores vítimas de fake news, até porque eu sempre digo que se não tivesse fake news por ocasião das eleições eu teria ganho em primeiro turno disparado, porque os outros candidatos não tiveram fake news. Se teve foi muito pouco”.

No último dia 31, Bolsonaro ordenou o cancelamento das assinaturas do jornal Folha de S.Paulo nos órgãos do governo federal. “Determinei hoje que seja cancelada a assinatura da Folha aqui no âmbito do poder executivo. Quem quiser ler a Folha que passe lá na rodoviária de Brasília e compre”, disse Bolsonaro em sua live semanal nas redes sociais.

Bolsonaro teve o nome veiculado em uma reportagem do Jornal Nacional que mostrou que Élcio de Queiroz, um dos acusados de matar a vereadora Marielle Franco (PSOL) e o motorista Anderson Gomes, no dia do crime teria pedido para ir à casa 58 quando chegou ao condomínio, horas antes do assassinato. Ainda segundo o JN, o porteiro do condomínio Vivendas da Barra teria anotado que "seu Jair" dera autorização para que o suspeito entrasse. Bolsonaro estava em Brasília no dia.  Posteriormente, o Ministério Público confirmou que o porteiro que envolveu o nome do presidente na morte da vereadora mentiu em depoimento à Polícia Civil. 

Em seguida, o presidente atacou a emissora e disse que se houver alguma dívida com o Estado não renovará a concessão em 2022: "Pague tudo o que deve", disparou. Bolsonaro disse que não se trata de perseguição mas sim de fazer “valer a lei”.

Nesta segunda-feira (4/11), a Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência da República (Secom) divulgou uma nota de repúdio sobre a reportagem. 

“Caso a emissora tivesse realmente pautado seu trabalho pela imparcialidade, rigor na apuração e profundidade de investigação, não teria levado ao ar matéria tão frágil do ponto de vista jornalístico. É evidente o foco da emissora em promover discórdias e enfraquecer o governo, enquanto outros fatos notórios positivos do país são silenciados, pois não interessam aos cofres da empresa".

Ainda durante a solenidade de 300 dias de governo, Bolsonaro fez questão de ressaltar o saldo positivo da viagem á Arábia Saudita, em que o governo conseguiu a concordância do Fundo de Investimento Público Saudita (PIF) em explorar potenciais oportunidades de investimentos mutuamente benéficos em até US$ 10 bilhões, em parceria com o Brasil.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade