Politica

Bolsonaro sobre acusações: 'O meu dedo no painel garante a minha situação'

O pronunciamento ocorreu durante a cerimônia de 300 dias do governo, no Palácio do Planalto

Ingrid Soares
postado em 05/11/2019 22:00
 (foto: Valter Campanato/Agência Brasil)
(foto: Valter Campanato/Agência Brasil)
[FOTO1]O presidente Jair Bolsonaro (PSL) voltou a comentar na tarde desta terça-feira (5/11) sobre a reportagem do Jornal Nacional que noticiou que Queiroz teve sua entrada no condomínio liberada pela casa 58, propriedade do presidente. Queiroz é um dos acusados dos assassinatos da vereadora Marielle Franco e do motorista, Anderson Silva. O pronunciamento ocorreu durante a cerimônia de 300 dias do governo, no Palácio do Planalto.

;Lamento uma grande imprensa do Brasil querer colocar no meu colo a execução de uma vereadora porque um dos possíveis executores morava no meu condomínio. Tem mais gente que vive no meu condomínio, são 150 casa lá dentro. Não é uma imprensa que colabore com o Brasil essa que agiu dessa maneira. Não satisfeita, diz agora que tem um segundo porteiro. Bem, não vou entrar em detalhes, o meu dedo no painel garante a minha situação. E o mais importante: Que motivos eu teria para fazer isso? Estaria contrariando meus princípios cristãos. E outra, no que ;aquela pessoa; me atrapalhava?Zero. Lamento pela família, é uma marca que fica no Brasil e espero, Moro, que seja desvendado esse crime. Bem como espero que seja desvendado quem tentou matar Jair Bolsonaro;, apontou.

A reportagem em questão mostrou que Élcio de Queiroz, um dos acusados de matar a vereadora Marielle Franco (PSOL) e o motorista Anderson Gomes, no dia do crime teria pedido para ir à casa 58 quando chegou ao condomínio, horas antes do assassinato. Ainda segundo o JN, o porteiro do condomínio Vivendas da Barra teria anotado que "seu Jair" dera autorização para que o suspeito entrasse. Bolsonaro estava em Brasília no dia. Posteriormente, o Ministério Público confirmou que o porteiro que envolveu o nome do presidente na morte da vereadora mentiu em depoimento à Polícia.

No entanto, o porteiro que disse ter liberado a entrada de Élcio de Queiroz no condomínio Vivendas da Barra após ter sido supostamente autorizado pela voz do presidente Jair Bolsonaro não é o mesmo profissional que aparece na gravação analisada por peritos do Ministério Público. A expectativa é de que o MP convoque novamente o porteiro acusado de mentir a prestar novo depoimento.

Desde então, o presidente vem atacando a emissora e disse que se houver alguma dívida com o Estado não renovará a concessão em 2022: "Pague tudo o que deve", disparou. Bolsonaro disse que não se trata de perseguição mas sim de fazer ;valer a lei;.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação