Publicidade

Correio Braziliense

Declaração conjunta do Brics apoia combate à corrupção e ao crime

Afirmação de que questões climáticas devem ser tratadas com respeito à soberania dos países, presente na declaração conjunta dos líderes do bloco, é comemorada pelo governo. Menção à necessidade de reformas é vista como reforço nas negociações com o Congresso


postado em 15/11/2019 06:00

Os chefes de Estado, ao fim da plenária, no Itamaraty: visões políticas distintas impediram declaração sobre crise de países latino-americanos(foto: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)
Os chefes de Estado, ao fim da plenária, no Itamaraty: visões políticas distintas impediram declaração sobre crise de países latino-americanos (foto: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)
A afirmação de que a questão climática deve ser tratada com respeito à soberania dos países, incluída na declaração final da 11ª Cúpula do Brics, foi considerada pelo governo como uma das conquistas obtidas pelo país nas reuniões mantidas pelos chefes de Estado dos países-membros do bloco nos últimos dois dias. O tema é caro ao Brasil por causa das recentes queimadas na Amazônia. O Planalto anotou com satisfação também as referências à necessidade de reformas para impulsionar o desenvolvimento, e de combater a corrupção e o crime organizado internacional. De acordo com fontes próximas ao presidente Jair Bolsonaro, ele se sente respaldado por alguns dos principais parceiros comerciais e potências emergentes a insistir junto ao Congresso para avançar nas votações de matérias de interesse do Executivo.


Devido a divergências políticas, a declaração conjunta não mencionou as crises de Venezuela, Chile e Bolívia, embora conflitos em outras regiões do mundo, como na Palestina, tenham sido elencados entre as preocupações dos integrantes do bloco. Ao tratar das questões econômicas, o documento parte da premissa de que as reformas contribuem para o crescimento dos países. E destaca que as nações do Brics — Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul — foram as principais impulsionadoras do crescimento global na última década, e representam, hoje, um terço da produção global. “Estamos convencidos de que a contínua implementação de reformas estruturais aumentará nosso potencial de crescimento. A expansão do comércio entre os membros do Brics contribuirá ainda mais para fortalecer os fluxos de comércio internacional”, diz o comunicado final do encontro.

Em discurso na reunião plenária, Bolsonaro comentou o esforço para reforçar a atuação do Novo Banco de Desenvolvimento (NDB, na sigla em inglês), o banco do Brics, de modo a atender as demandas do setor privado. A instituição tem uma carteira de projetos de US$ 10 bilhões, mas o potencial para aumentar essa cifra é grande. À noite, ao chegar ao Palácio da Alvorada, ele voltou a celebrar. “A presença (dos chefes de Estado) demonstra que o Brasil é um país sério e que tem muito a oferecer a eles, e eles a nós.”

Crime organizado

 

O Brics também deixou encaminhada a convergência pelo multilateralismo na discussão dos problemas globais. O presidente da China, Xi Jinping, comemorou. “O aumento do protecionismo e unilateralismo cria deficit de desenvolvimento de governança, de conhecimento, e crescentes incertezas, que são fatores de desestabilização na economia mundial”, avaliou. O presidente da África do Sul, Cyril Ramaphosa, defendeu a exportação de produtos de maior valor agregado, pelos países emergentes, como forma de erradicar a miséria e o desemprego.

O combate ao terrorismo e ao crime organizado foi outra pauta defendida pelo bloco. Na avaliação do Planalto, o discurso favorece o governo, que tenta emplacar, no Congresso, o pacote anticrime do ministro da Justiça, Sérgio Moro. A agenda foi comentada pelo presidente da Rússia, Vladimir Putin. “Invariavelmente temos apoiado iniciativas e uma visão compartilhada em série de questões, como promoção da paz, combate a ameaças terroristas e crime organizado”, afirmou. O primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi, endossou o discurso. “Nós já estamos um pouco mais distantes de um risco tão próximo de uma guerra mundial, no entanto, o terrorismo continua sendo uma grave ameaça a todos os nossos países. Nos últimos anos, 225 mil vidas foram perdidas para o terrorismo.”

Cooperação com a Rússia

No último dia da Cúpula do Brics, o presidente Jair Bolsonaro se encontrou, nesta quinta-feira (14/11), no Palácio do Planalto, com o líder russo, Vladimir Putin, e o da África do Sul, Cyril Ramaphosa. Putin chegou ao Planalto às 15h45 e a conversa durou menos de uma hora. De acordo com o governo, “as duas partes discutiram a remoção de entraves ao comércio de produtos do setor agropecuário e a diversificação da pauta comercial. Manifestaram disposição de estudar iniciativas para a promoção de investimentos recíprocos. O lado russo demonstrou interesse em novos aportes no setor de energia” e ambos os países desejam cooperar na área de ciência e tecnologia.

No encontro entre Bolsonaro e Ramaphosa, o lado sul-africano ressaltou, na reunião, de acordo com o governo brasileiro, o desejo em aprofundar a parceria em biocombustíveis. A cooperação agrícola também é tema comum. No setor de defesa, os dois países revelaram interesse na capacidade de desenvolver projetos conjuntos de alta tecnologia.

No dia anterior, Bolsonaro já tinha mantido encontros bilaterais com o presidente chinês, Xi Jinping, e com o primeiro-ministro da Índia,  Narendra Modi. Com o líder chinês, foram assinados diversos acordos prevendo cooperação em diversas áreas e o aumento do intercâmbio comercial.

Todos os países-membros do Brics demonstraram compromisso em reduzir a emissão de gases poluentes e seguir metas previstas no Acordo de Paris. Além disso, as cinco nações revelaram preocupações com a corrida armamentista no espaço exterior. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade