Publicidade

Correio Braziliense

TRF4 remete inquérito sobre Belo Monte para Justiça Federal de Brasília

Para Gebran, seja pelo endereço da vítima, seja em razão dos fatos, o inquérito está vinculado à competência territorial da subseção judiciária de Brasília


postado em 20/11/2019 19:31

(foto: Sylvio Sirangelo/TRF4)
(foto: Sylvio Sirangelo/TRF4)
A 8ª Turma do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) decidiu remeter, em julgamento de habeas corpus (HC) realizado nesta quarta-feira (20/11), o inquérito que investiga a participação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva em suposta fraude no processo de contratação da construção da Usina Hidrelétrica Belo Monte da 13ª Vara Federal de Curitiba para a Justiça Federal do Distrito Federal.

 

Segundo o relator do HC, desembargador federal João Pedro Gebran Neto, o Grupo Eletrobras e Norte Energia, responsável pela construção de Belo Monte, tem endereço em Brasília, e a hidrelétrica está sediada no Pará. Para Gebran, em qualquer dos casos, seja pelo endereço da vítima, seja em razão dos fatos, o inquérito está vinculado à competência territorial da subseção judiciária de Brasília.

 

O magistrado ressaltou ainda que inexiste qualquer elo entre a Petrobras e a Usina Belo Monte, exceto pela prática de crimes da mesma espécie e pela participação, em alguma medida, de personagens comuns, devendo os atos do inquérito ser dirigidos pela Justiça Federal do DF.

 

Além da incompetência da 13ª Vara Federal de Curitiba, a defesa também requeria o envio dos autos para a Justiça Eleitoral sob o argumento de que a maioria dos delatores afirmou que o pagamento de propinas era realizado por doação oficial a campanhas políticas, mas o pedido foi negado pela turma. 

 

Conforme Gebran, a concessão de vantagens ilícitas a integrantes de grupos políticos responsáveis pela indicação dos ocupantes de cargos de elevado escalão em órgãos da administração pública direta e indireta em troca de benefícios referentes a licitações e contratos públicos não implica por si só conexão eleitoral. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade