Publicidade

Correio Braziliense

Bolsonaro aposta no fortalecimento da economia de olho em 2022

Sinais de retomada do crescimento fazem o presidente Jair Bolsonaro se animar para buscar um novo mandato


postado em 04/12/2019 06:00 / atualizado em 04/12/2019 07:53

(foto: AFP / EVARISTO SA)
(foto: AFP / EVARISTO SA)
O presidente Jair Bolsonaro vê no fortalecimento da economia o grande trunfo para buscar a reeleição em 2022. Ele destacou, nesta terça-feira (3/12), o resultado do Produto Interno Bruto (PIB), que registrou crescimento de 0,60% no terceiro trimestre, ante o trimestre anterior. O desafio, segundo especialistas, é que isso seja transformado em melhorias concretas para a população.

No último dia 2, Bolsonaro voltou a sinalizar que trabalha com a possibilidade de continuar no comando do Executivo. O discurso foi feito durante o lançamento da Campanha Pátria Voluntária, no Palácio do Planalto. “A nossa missão é entregar em 2023 ou 2027 um Brasil bem melhor para quem nos suceder”, afirmou, na ocasião.

Bolsonaro, no entanto, sofreu com a reação demorada da economia e pressionou o ministro da área, Paulo Guedes, por resultados. Ele temia que o baixo desempenho aliado ao elevado índice de desemprego culminasse em manifestações como as que ocorrem em outros países da América do Sul, como o Chile.

Com a melhora nos indicadores, Bolsonaro acredita que o argumento de economia fraca, usado pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para atacá-lo, cairá por terra. “Veio em boa hora”, disse, nesta terça-feira (3/12), ao comemorar o resultado do PIB.

Para o cientista político Marcus Vinicius Macedo Pessanha, a melhora na economia é um indicativo poderoso. No entanto, é necessário que a guinada econômica se transforme em benefícios reais para a população. Ele aponta que as próximas eleições presidenciais ainda estão distantes e é preciso que Bolsonaro tome precauções para que a economia não sofra o efeito voo de galinha.

“É preciso reverter isso em benefícios concretos em relação aos eleitores, seja em aumento de poder de compra, seja em geração de emprego, seja em melhorias de condição de vida e infraestrutura. As polêmicas permeando o governo não têm sido favoráveis”, ressaltou. “É preciso lembrar que a economia é dinâmica. O aumento do PIB é ótimo, mostra que terá um quadro favorável ao ambiente de negócios, costuma ser indicativo forte de que condições de vida da população serão melhoradas, mas tem que ter percepção de que a reeleição está distante, e esses indicativos podem ser um voo de galinha: começam e não duram muito tempo. É preciso criar benefícios reais e efetivos para a população. Se isso ocorrer e se mantiver, ele se transforma num forte candidato à reeleição.”

Privatização de Jericoacoara e Parque do Iguaçu

O presidente Jair Bolsonaro assinou um decreto que libera a privatização de unidades de conservação federal. Foram incluídos no Programa Nacional de Desestatização (PND) o Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses, no Maranhão; o Parque Nacional de Jericoacoara, no Ceará; e o Parque Nacional do Iguaçu, no Paraná. O texto foi publicado nesta terça-feira (3/12), no Diário Oficial da União (DOU). Segundo o documento, a inclusão é “para fins de concessão da prestação dos serviços públicos de apoio à visitação, com previsão do custeio de ações de apoio à conservação, à proteção e à gestão das referidas unidades”. O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, afirmou que o objetivo é dar uma destinação econômica para as unidades de conservação. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade