Publicidade

Correio Braziliense

Mourão anuncia acordo de cooperação com laboratório de ideias chinês

A intenção é que pesquisas conjuntas e troca de conhecimento auxiliem Brasil e China no aprofundamento de relações bilaterais


postado em 04/12/2019 11:25 / atualizado em 04/12/2019 11:37

(foto: José Cruz/Agência Brasil )
(foto: José Cruz/Agência Brasil )
O vice-presidente da República, Hamilton Mourão, participou, na manhã desta quarta-feira (4/12), da solenidade de abertura do seminário internacional Ipea-Caitec. No evento, o Instituto de Pesquisa e Economia Aplicada (Ipea) assinou um acordo de cooperação com o laboratório de ideias (think-tank) chinês. A intenção é que pesquisas conjuntas e troca de conhecimento auxiliem Brasil e China no aprofundamento de relações bilaterais.

 

Mourão destacou a importância da relação entre as duas nações e destacou que o comércio entre os países já dura 45 anos sendo que, há dez, o gigante asiático é o principal parceiro comercial do Brasil. “A aproximação entre Ipea e Caitec contribuirá para ampliar o conhecimento do instituto sobre a realidade chinesa e internacional, expandindo nosso entendimento mútuo nos desafios de hoje e de amanhã”, afirmou.

 

“A vice-presidência da república retomaram os trabalhos da Comissão Sino-brasileira de Alto Nível de Concertação e Cooperação (COSBAN), disse o vice-presidente. A comissão formada em 2004, ele destacou, não se reunia desde 2015. “Demos o primeiros passos no exercício do nosso mandato. A importância estratégica do nosso relacionamento com a CHina estava evidente. No primeiro ano, precisávamos conhecer nossos interlocutores e entender melhor nossos interesses”, afirmou. 

 

O vice-presidente destacou, ainda, os desafios para o avanço do êxito entre a parceria Brasil-China. Segundo Mourão, são três objetivos: ampliar e diversificar exportações com agregação de valor; aumentar o volume e direcionar investimento chinês para áreas prioritárias, e aprofundar a cooperação entre ciência tecnologia e inovação entre os países. Os presentes destacaram, também, a importância dos encontros entre o presidente da República, Jair Bolsonaro, com o presidente da China, Xi Jinping, tanto na viagem do chefe do Executivo para o país asiático, quanto na vinda do chefe de estado ao brasil durante a reunião dos Brics.

 

Outro tema abordado foi um futuro acordo de livre comércio entre as duas nações. O Ipea divulgou uma avaliação dos impactos de um acordo nesses moldes para a economia brasileira. Segundo o estudo, uma negociação nesses moldes “geraria resultados inequivocamente positivos para a economia brasileira., com ganho de PIB, investimento, exportações e importações”. “O saldo comercial seria um pouco pior, mas haveria uma redução significativa do nível de preços agregado e um aumento do grau de abertura da economia, medido pelo nível das exportações e das importações em relação ao PIB.”

Alertas

O presidente da Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento e Desenvolvimento Rural da Câmara, deputado Fausto Pinato (PP-SP), falou dos perigos que incorre a relação entre o brasil e a China. Destacou que o país não poderia, por exemplo, priorizar vistos eletrônicos para Taiwan em detrimento da China, como divulgou a BBC essa semana, e que a China também teria que confiar no parceiro com relação à floresta Amazônica.

 

Já o presidente da Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional do Senado, Nelsinho Trad (PSD-MS), destacou a importância da rota terrestre Bioceânica, que ligara o Mato Grosso do Sul ao Chile por meio de hidrovias, barateando o fluxo comercial entre Brasil, Paraguai, Argentina e Chile, e ligando diretamente o Brasil ao Oceano Pacífico, aproximando o país da China.

 

“O Brasil tem interesse em abrir amplo espaço do investimento chinês, mas quer manter o controle de suas estruturas de cadeias logísticas e de produção. O Brasil continuará a prover produtos básicos e essenciais à China, mas também outros produtos com valor agregado. Em uma perspectiva pragmática de interesse mútuo”, destacou o senador.

 

Qu Weixi, vice-presidente da Caitec afirmou que a China “trabalha vigorosamente abrindo o mercado para o Brasil, reduzindo tarifas e eliminando barreiras não tarifárias”, enquanto o Brasil está fazendo reformas para atrair investimentos. “Temos que promover a cooperação econômica, institucional e de pessoas entre os países”, destacou. 

 

O embaixador da China no Brasil, Yang Wanming, destacou a importância de enfrentar os movimentos nacionalistas e anti-bilaterais que ganharam espaço no mundo nos últimos anos, e também, de construir consensos para aprofundar a relação entre os países. “Como disse o presidente Bolsonaro, a China, cada vez mais, faz parte do futuro do Brasil. Nossa parceria bilateral é cada vez mais relevante para o desenvolvimento do Brasil. Isso ilustra a capacidade de dois países em desenvolvimento de avançarem juntos nos desafios. Nas últimas décadas, a economia mundial sofre ameaças ao bilateralismo”, disse.

 

“O anti bilateralismo ameaça os países emergentes. É uma grande satisfação constatar que o governo brasileiro faz de tudo para ampliar  abertura e melhorar ambiente de negócios e viabilizar acordo de livre comércio entre Mercosul e União Européia. A china quer uma economia mais aberta e, também, reforçar o sistema multilateral de comércio. China e Brasil devem estimular  esse comércio e aperfeiçoar a governança internacional”, completou.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade