Publicidade

Correio Braziliense

PM tem que entrar nos câmpus das universidades federais, diz Weintraub

Durante Comissão de Educação na Câmara dos Deputados, o ministro da Educação voltou a afirmar que há plantações de maconha dentro das universidades federais


postado em 11/12/2019 11:59 / atualizado em 11/12/2019 16:51

Weintraub disse que a Polícia Militar precisa poder entrar no campus dessas instituições para interromper essa situação(foto: Cleia Viana/Câmara dos Deputados)
Weintraub disse que a Polícia Militar precisa poder entrar no campus dessas instituições para interromper essa situação (foto: Cleia Viana/Câmara dos Deputados)
O ministro da Educação, Abraham Weintraub, voltou a afirmar que há plantações de maconha dentro das universidades federais nesta quarta-feira (11/12), durante sua apresentação na Comissão de Educação da Câmara dos Deputados. O ministro foi convocado para dar explicações sobre declaração dada à imprensa de que nas universidades federais há extensivas plantações da droga. 

Após voltar a afirmar que há a evidência dessas plantações em diversas universidades públicas, Weintraub disse que a Polícia Militar precisa poder entrar no campus dessas instituições para interromper essa situação. “As universidades estão doentes e pedindo nosso socorro. Eu sou 100% a favor da autonomia universitária de pesquisa e ensino. Pode ensinar e pesquisar o que você quiser. Agora roubo, estupro e consumo de drogas ilícitas não pode ter, e a Política Militar tem que entrar nos campus”, disse. 

Durante a maior parte de sua apresentação inicial, o ministro exibiu diversas reportagens sobre plantação e consumo de drogas dentro das universidades. Uma delas, de abril de 2007, mostrava a prisão de três pessoas suspeitas de cultivar maconha dentro da Universidade de Brasília. “Esse é um material que eu encontrei na internet. É um trabalho que eu fiz. Eu à noite selecionei esses vídeos para mostrar para os senhores a gravidade da situação”, explicou o ministro. 

Para Weintraub, o problema das plantações dentro do campus das universidades é o que elas refletem. “O problema não é a plantação em si, é o que ela reflete. As plantações são reflexo do consumo exagerado e fora de controle de drogas nas faculdades”, pontuou.

A Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições de Ensino Superior (Andifes) entrou na Justiça para pedir que o ministro da Educação explicasse as alegações que indicam a existência de plantações de drogas dentro nas universidades federais brasileiras. 

Clima tenso 

Como já era esperado, o clima da audiência pública já começou tenso. Durante a exibição do primeiro vídeo exposto pelo ministro, parlamentares da oposição reclamaram. O deputado Marcelo Freixo (Psol-RJ) afirmou ser grave e lamentável ter que ouvir o ministro falar sobre este tema diante da crise vivida na educação. 

“Eu entendo que quando há convocação tem uma pauta. Eu tenho 20 anos em sala de aula como professor e se a pauta vai ser exclusivamente essa diante de tudo que está se passando com a educação no Brasil... É um desrespeito tão profundo com a educação que eu estou me retirando, porque tenho mais o que fazer da minha vida do que ouvir o ministro falar sobre isso”, disse. 

Parlamentares de direita aplaudiram a saída de Freixo do plenário em que acontecia a audiência. Weintraub respondeu ao deputado. “Eu estou à disposição para vir aqui debater a educação. Sempre estive. Inclusive convidei o senhor várias vezes para ir ao MEC. Eu fui convocado pelos senhores, pela oposição e pelo seu partido para debater isso”, respondeu. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade