Publicidade

Correio Braziliense

''Todo ano tem esse aumento'', diz Bolsonaro sobre preço da carne

Presidente não negou a alta dos preços, mas afirmou que isso não aconteceu só no Brasil e que essa época do ano é comum que haja elevação nos valores


postado em 12/12/2019 20:30 / atualizado em 12/12/2019 20:31

(foto: Facebook/ reprodução )
(foto: Facebook/ reprodução )
O presidente Jair Bolsonaro comemorou, mais uma vez, na noite desta quinta-feira (12/12) a melhora econômica e a redução da taxa Selicque está em 4,5% ao ano. Ao lado do presidente da Caixa Econômica Federal e do presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), em live transmitida pelo Facebook, o chefe do Executivo ressaltou que busca não intervir na  economia. “Acho que a economia está dando certo, porque eu não entendo de economia. Eu não sei, eu não meto a mão”, afirmou. 

 

Bolsonaro, no entanto, admitiu a alta dos preços da carne e buscou justificar os preços dizendo que é normal uma variação neste período do ano. "Todo ano nessa época, novembro e dezembro, há aumento da carne, não tanto quanto agora, mas há esse aumento", disse.

Ele acrescentou que a tendência é que, daqui a alguns meses, os preços caiam. "Vamos abrir o mercado para o mundo todo. E deixar uma coisa bem clara: o preço da carne não aumentou só aqui não”, afirmou, citando o aumento das exportações do produto, o que tem contribuído para a elevação do preço. 

 

Bastante satisfeito com os resultados econômicos, o presidente ressaltou ainda as reduções de juros anunciadas pela Caixa no crédito imobiliário e no cheque especial. "Eu não estou fazendo campanha da Caixa não, se bem que acabei de abrir uma conta lá", brincou. De acordo com o presidente da Caixa, Pedro Guimarães, o banco ganhou mais de 1 milhão de clientes nos últimos 45 dias. "A Caixa nunca esteve tão forte. Nunca teve tanto lucro", afirmou.
 

BNDS 

Durante a transmissão, o presidente do BNDS, Gustavo Montezano, ressaltou que o banco pretende investir menos nos grandes empresários e mais nos cidadãos. "O banco era focado no lucro, agora é focado em melhorar a vida do brasileiro", garantiu. 

 

Bolsonaro aproveitou para criticar o financiamento feito pelo banco no Porto de Mariel, em Cuba. "Qual a exportação de Cuba? Charuto? O povo lá tem um salário médio de US$ 20. O que esse povo tem para poder comprar produto importado? Para que esse porto de primeira? Certamente foi a questão ideológica", criticou. 

 

 

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade