Publicidade

Correio Braziliense

Bolsonaro imita ex-presidente Lula ao justificar veto a projeto de lei

De acordo com o presidente, o projeto, de autoria de Gleisi Hoffmann (PT-PR), foi incentivado por suposta fala do ex-presidente


postado em 12/12/2019 21:05 / atualizado em 12/12/2019 21:06

(foto: Facebook/ reprodução )
(foto: Facebook/ reprodução )
O presidente Jair Bolsonaro imitou uma fala do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva ao comentar veto dado a projeto de lei que passa a autorizar que menores de 18 anos sejam representados pelo Ministério Público em casos de violência doméstica. Hoje, é preciso que o responsável legal faça a representação. De acordo com o presidente, o projeto foi inspirado por uma fala de Lula em que ele teria dito: “Só porque o moleque está roubando um celular vai a policia para cima dele. Deixa o moleque roubar em paz”, imitou a voz do ex-presidente. (Veja vídeo a partir de 23 minutos e sete segundos). 

 

Em live transmitida pelo Faceebook, o presidente explicou que o problema do projeto é que daria margem para que policiais sejam acusados injustamente por parte do Ministério Público. "Imagine uma ação qualquer em que o menor seja detido e sofra uma agressão até verbal, o policial seria detido", reclamou. "Não iria faltar algumas ONGs, esses partidecos, arrumariam uma forma junto ao MP para que esse policial viesse a sofrer um processo", explicou. "A criancinha de até 17 anos", ironizou. 

 

O Projeto de Lei nº 4.767/2016, de autoria de Gleisi Hoffmann (PT-PR) quando ainda era senadora, foi aprovado na Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJC) em novembro. De acordo com o texto, o Ministério Público passaria a ser autorizado a promover ação penal pública incondicionada aos crimes de lesões corporais leves e culposas contra menor de 18 anos ou incapaz em contexto de violência doméstica e familiar. Hoje, caso a vítima seja uma criança ou adolescente, a representação do crime deve ser oferecida pelo seu representante legal, o que na defesa do projeto, a senadora diz que impede uma proteção adequada das pessoas agredidas. 

 

Segundo Bolsonaro, a decisão de vetar o projeto nada tem a ver com autoria do texto. Porém, o presidente fez questão de lembrar de quem é a iniciativa e quem fez a relatoria. "Não tem nada a ver com os autores do projeto. Quem é a autora? Gleisi Hoffmann, vou repetir: Gleisi Hoffmann, preocupadíssima com os menores. Talvez depois que o Lula falou. Relatora do projeto: Maria do Rosário. Nada contra o nome dela, mas vetei esse projeto”, afirmou. 

 

 

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade