Publicidade

Correio Braziliense

A pedido de Bolsonaro, Mourão viajará para a Antártida

Plano inicial era de que o chefe do Executivo participasse da reinauguração da base da Estação Antártida Comandante Ferraz, mas por motivos de saúde, Bolsonaro decidiu enviar o vice-presidente


postado em 07/01/2020 15:52 / atualizado em 07/01/2020 17:15

A viagem havia sido cancelada por Mourão em novembro do ano passado, por motivos de segurança(foto: Marcos Corrêa/PR)
A viagem havia sido cancelada por Mourão em novembro do ano passado, por motivos de segurança (foto: Marcos Corrêa/PR)
O vice-presidente Hamilton Mourão (PRTB) viajará para a Antártida no lugar do presidente Jair Bolsonaro (sem partido). A expectativa é de que ele embarque no dia 13 de janeiro e retorne no dia 15. A agenda foi confirmada nesta terça-feira (7/1) pela assessoria. O plano inicial era de que o chefe do Executivo participasse da reinauguração da base da Estação Antártida Comandante Ferraz, destruída em 2012, mas por motivos uma hérnia lateral e para não piorar o quadro de saúde, Bolsonaro decidiu enviar Mourão.

A viagem havia sido cancelada por Mourão em novembro do ano passado, por motivos de segurança. Antes da chegada à Antártida, a equipe passaria em Punta Arenas, no sul do Chile. Na época, a região estava em conflito. Até então, Mourão visitaria as obras de reconstrução da base para ver se estava tudo certo para a ida do presidente.

Ainda na manhã desta terça-feira (7/3), Mourão, foi submetido a um procedimento oftalmológico para remoção de catarata, conforme programação prévia. Em nota, a assessoria informou que o procedimento transcorreu sem intercorrências.

Agenda internacional de Bolsonaro 

Bolsonaro admitiu ontem (6/1), que existe a possibilidade de não participar do encontro anual do Fórum Econômico Mundial em Davos, na Suíça. Segundo ele, "o mundo tem seus problemas de segurança". O chefe do Executivo se referiu indiretamente à crise entre o Irã e os EUA. 

Já na última sexta-feira (3/1), o presidente afirmou que as viagens para Davos e para a Índia estão confirmadas, mas que a morte do general iraniano Qasem Soleimani poderia afetar a agenda dos outros representantes de Estado. "A gente não sabe até que ponto pode impactar também não a minha viagem, mas as de todos os chefes de Estado para Davos, nesta questão. Há uma ameaça do Irã de retaliações e estamos aguardando. Por enquanto, está mantida", disse.

Posteriormente, Bolsonaro deve fazer uma viagem à Índia. Segundo o Palácio do Planalto, o chefe do Executivo aceitou um convite para participar das comemorações pelo dia da República na Índia, no dia 26. Além de buscar aprofundar a cooperação entre os países em áreas de tecnologia, é grande o interesse nas relações comerciais com o país. Bolsonaro comentou também que, neste ano, poderá sair a liberação da isenção de vistos para os indianos.

De lá, Bolsonaro poderá estender a viagem para os Estados Unidos, em fevereiro, para conhecer a tecnologia de "transmissão de energia elétrica sem meios físicos". Ele procura uma possível solução energética para o Estado de Roraima. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade