Publicidade

Correio Braziliense

Lava-Jato: ex-senador é preso pela PF suspeito de fazer caixa 2

Segundo a investigação, o ex-senador Luiz Otávio Campos (MDB-PA) foi o intermediador do pagamento de R$ 1,5 milhão em Caixa 2


postado em 09/01/2020 07:18 / atualizado em 09/01/2020 10:55

Ex-senador Luiz Otávio Campos (MDB-PA) (foto: Célio Azevedo/Agencia Senado)
Ex-senador Luiz Otávio Campos (MDB-PA) (foto: Célio Azevedo/Agencia Senado)
A Polícia Federal prendeu o ex-senador Luiz Otávio Campos (MDB-PA) nesta quinta-feira (9/1). Ele é suspeito de ser o intermediário de pagamentos de R$ 1,5 milhão feitos pela Odebrecht à campanha de Helder Barbalho (MDB) para o governo do estado do Pará, em 2014. Não há mandado de prisão contra o governador.

A prisão foi feita no âmbito da Operação Fora do Caixa, desdobramento da Operação Lava-Jato, nas cidades de Belém (PA), Palmas (TO) e Brasília (DF). Ao todo são três mandados buscas e apreensões e uma prisão temporária no Pará; uma prisão temporária e uma busca e apreensão em Tocantins; e duas buscas e apreensões no Distrito Federal.

Em depoimento, os executivos confessaram que foram realizadas três entregas, nos valores de R$ 500 mil reais cada, nos meses de setembro e outubro de 2014, sendo que o recebimento foi intermediado do ex-senador.

A PF encontrou indícios de que pelo menos um dos pagamentos foi realizado em endereço ligado a parentes de Luiz Otávio Campos. Os crimes sob investigação são de falsidade ideológica eleitoral (Caixa 2), formação de quadrilha e lavagem de dinheiro.

A investigação iniciou perante o Supremo Tribunal Federal, entretanto houve declínio de competência para Justiça Eleitoral em Belém/PA, a partir da confirmação do entendimento sobre a competência da Justiça Eleitoral para processar e julgar crimes comuns em conexão com crimes eleitorais. Os mandados foram expedidos pela 1ª Vara da Justiça Eleitoral em Belém (PA).

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade