Publicidade

Correio Braziliense

Entidades israelitas repudiam referências nazistas em vídeo de secretário

Rodrigo Alvim foi demitido do cargo de secretário especial da Cultura pelo presidente Jair Bolsonaro


postado em 17/01/2020 16:57 / atualizado em 17/01/2020 17:10

A Associação Cultural Israelita de Brasília também se manifestou contra Alvim (foto: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)
A Associação Cultural Israelita de Brasília também se manifestou contra Alvim (foto: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)
Entidades israelitas repudiaram, nesta sexta-feira (17/1), o vídeo gravado pelo ex-secretário da Cultura, Roberto Alvim, inspirado em discurso de Joseph Goebbels, ministro do líder nazista alemão Adolf Hitler. 

Em nota, a Confederação Israelita do Brasil (Conib) disse que "considera inaceitável o uso de discurso nazista pelo secretário da Cultura do governo Bolsonaro". O texto destaca que a visão de cultura do secretário do presidente da República "deve ser combatida e contida". 
 
O comunicado oficial lembra, ainda, que Goebbels foi um dos principais líderes do regime nazifascista, que usou táticas de propaganda e cultura "para deturpar corações e mentes dos alemães e dos aliados nazistas a ponto de cometerem o Holocausto".
 
A Associação Cultural Israelita de Brasília (Acib) também se manifestou. Em comunicado, a instituição disse que o discurso era uma "afronta" não só para a comunidade judaica, "mas à diversidade cultural que caracteriza o nosso país". A nota também disse apoiar a exoneração do secretário do cargo.

O episódio fez com que Alvim fosse demitido do cargo após intensa repercussão negativa e críticas de autoridades como os presidentes da Câmara, do Senado e do Supremo Tribunal Federal (STF). A Embaixada da Alemanha no Brasil também criticou o ex-secretário e disse que o nazismo foi "capítulo sombrio" na história.  
 

Veja abaixo a íntegra das notas da Conib e da Acib:

“A Conib (Confederação Israelita do Brasil) considera inaceitável o uso de discurso nazista pelo secretário da Cultura do governo Bolsonaro, Roberto Alvim. Emular a visão do ministro da Propaganda nazista de Hitler, Joseph Goebbels, é um sinal assustador da sua visão de cultura, que deve ser combatida e contida. Goebbels foi um dos principais líderes do regime nazista, que empregou a propaganda e a cultura para deturpar corações e mentes dos alemães e dos aliados nazistas a ponto de cometerem o Holocausto, o extermínio de 6 milhões de judeus na Europa, entre tantas outras vítimas. O Brasil, que enviou bravos soldados para combater o nazismo em solo europeu, não merece isso. Uma pessoa com esse pensamento não pode comandar a cultura do nosso país e deve ser afastada do cargo imediatamente.”

"Na manhã desta sexta-feira fomos surpreendidos com a notícia do pronunciamento do secretário de cultura Roberto Alvim apresentando a nova política governamental para a pasta da Cultura para o Brasil, inspirado nos valores da política nazista e fazendo uso de ferramentas de Joseph Goebbels, ministro da propaganda nazista de Hitler.
Diante de tamanha afronta, não apenas à comunidade judaica, mas à diversidade cultural que caracteriza o nosso país, a Associação Cultural Israelita de Brasília (ACIB) se soma à condenação expressada pela Confederação Nacional Israelita do Brasil (CONIB) e apoia a exoneração do secretário de seu cargo". 



Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade