Publicidade

Correio Braziliense

Psol ingressa com notícia-crime na PGR contra Alvim e Bolsonaro

Partido alega que ex-secretário especial de cultura fez apologia ao nazismo e que o presidente da República usa o aparato do Estado para perseguir a liberdade de expressão e censurar a imprensa


postado em 17/01/2020 17:59 / atualizado em 17/01/2020 18:24

(foto: Reprodução/YouTube - Alan Santos/PR)
(foto: Reprodução/YouTube - Alan Santos/PR)
Parlamentares do Psol ingressaram com notícia-crime no Ministério Público Federal (MPF) contra o ex-secretário especial de cultura, Roberto Alvim, por apologia ao nazismo. Na mesma peça, a sigla acusa o presidente Jair Bolsonaro de perseguir a cultura e usar a máquina pública para censurar veículos de imprensa.

Na ação, enviada à Procuradoria Geral da República (PGR), os parlamentares citam o discurso de Alvim, publicado no canal da Secretaria Especial de Cultura no YouTube, em que foram usados trechos de declarações do ministro nazista Joseph Goebbels.

"Conforme amplamente divulgado pela imprensa e nas redes sociais, na noite do dia 16 de janeiro o secretário da Cultura Roberto Alvim publicou, na rede social da Secretaria Especial da Cultural, vídeo em que divulga o Prêmio Nacional das Artes, que havia sido lançado momentos antes em live do presidente Bolsonaro em que participou. Em seu discurso, Alvim citou trecho de discurso de Joseph Goebbels, ministro da Propaganda de Hitler, sobre as artes", diz um trecho da representação. 


Semelhança com Goebbels

Na acusação, os deputados citam um trecho do discurso de Alvim que se assemelha ao propagado na Alemanha nazista. “Ao país a que servimos, só interessa uma arte que se cria a sua própria qualidade a partir da nacionalidade plena, e que tem significado constitutivo para o povo para o qual é criada”.

Os parlamentares alegam que tanto Alvim quanto Bolsonaro, ao anunciarem o lançamento do Prêmio Nacional de Artes, atuaram para defender seus interesses individuais e políticos, causando prejuízos ao país e pedem que ambos sejam responsabilizados por "políticas de perseguição e violação da liberdade de expressão nas áreas de cultura, educação e demais áreas de conhecimento da sociedade".

O Psol pede que o "Ministério Público Federal tome as providências administrativas civis e penais cabíveis, visando o cumprimento da lei e resguardo dos direitos constitucionais atinentes".

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade