Publicidade

Correio Braziliense

Após demissão do secretário de Cultura, Bolsonaro evita a imprensa

O presidente realizou reuniões que estavam marcadas na agenda, mas não conversou com a imprensa nos locais


postado em 17/01/2020 20:11 / atualizado em 17/01/2020 20:14

(foto: Reprodução/Facebook)
(foto: Reprodução/Facebook)
O presidente Jair Bolsonaro evitou falar com a imprensa durante esta sexta-feira (17), dia em que demitiu Roberto Alvim do cargo de secretário especial da Cultura. 

Pela manhã, Bolsonaro recebeu o ministro-chefe da Secretaria de Governo da Presidência da República, Luiz Eduardo Ramos, o deputado Otoni de Paula (PSC/RJ) e Adilson Barroso, presidente nacional do Patriota. 

Após a repercussão do vídeo em que Alvim, ao anunciar um novo projeto cultural do governo federal, utiliza como referência um discurso de Joseph Goebbels, um dos idealizadores do nazismo e escolheu como trilha sonora uma peça de Richard Wagner que era uma das preferidas do líder nazista Adolph Hitler, o chefe do Executivo se viu obrigado a divulgar uma nota em que avisou sobre a exoneração do secretário.

“Um pronunciamento infeliz, ainda que tenha se desculpado, tornou insustentável a sua permanência. Reitero nosso repúdio às ideologias totalitárias e genocidas, bem como qualquer tipo de ilação às mesmas”, informou um trecho da nota.

Em seguida, Bolsonaro foi ao Clube Naval almoçar com funcionários da presidência, acompanhado do ministro Ramos.

Após o encontro, Bolsonaro retornou ao Palácio do Alvorada, onde cumprimentou simpatizantes e não falou com a imprensa.

Durante a tarde, recebeu o Ministro de Estado das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, o Ministro-Chefe do Gabinete de Segurança Institucional, Augusto Heleno e o ministro da saúde, Luiz Mandetta.

À noite, por volta das 18h50, o mandatário do país saiu da residência oficial para cumprimentar os eleitores que o aguardavam. Bolsonaro seguiu de moto até metade do trajeto. Depois, seguiu a pé até a porta do Alvorada, cumprimentou simpatizantes e não respondeu aos questionamentos da imprensa sobre o convite feito à atriz Regina Duarte para ocupar o cargo da Cultura. Ele retornou de moto para dentro do Palácio cerca de 10 minutos depois.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade