Publicidade

Correio Braziliense

Índia apoiará candidatura do Brasil como membro não-permanente da ONU

Eleições para o biênio 2022-2023 ocorrem em 2021 e deverá oficializar apoio durante visita de Jair Bolsonaro. Parcerias na área de energia, principalmente, na transferência de tecnologia para a mistura de etanol à gasolina, estão no foco da Índia


postado em 23/01/2020 10:56 / atualizado em 23/01/2020 11:00

Bolsonaro embarcou para índia (foto: Alan Santos/PR)
Bolsonaro embarcou para índia (foto: Alan Santos/PR)
Nova Delhi — O presidente Jair Bolsonaro faz a primeira viagem internacional à Índia, com roteiro da visita oficial entre os dias 24 e 27 de janeiro.  A expectativa dos organizadores da primeira visita de Estado de um presidente brasileiro ao país asiático desde 2004 é de assinarem de 10 a 12 acordos que estão sendo costurados pelos técnicos dos dois países.

 

Um dos anúncios, de acordo com a secretária para o Ocidente do ministério das Relações Exteriores da Índia, Vijay Thakur Singh, será o apoio indiano para a candidatura do Brasil para ocupar o assento não-permanente do Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU).  “Estamos trabalhando em conjunto sobre como avançar na agenda das Nações Unidas e, neste ano, o Brasil tem o nosso apoio como candidato para 2022-2023 para membro não permanente do Conselho de Segurança”, afirmou a secretária nesta quinta-feira (23/01). 

 

O Conselho de Segurança da ONU é composto por 15 membros, sendo cinco permanentes com poder de veto. São eles, Estados Unidos, França, Reino Unido, Rússia e China. Nos governos petistas, o país tentou, sem sucesso, tornar-se membro permanente, e, não tem demonstrado o mesmo empenho atualmente para essa candidatura. Contudo, fontes do Itamaraty informam que o país não desistiu do pleito de ser um membro com poder de veto no Conselho.

 

Brasil e Índia são membros do G4, aliança firmada em 2005 entre Alemanha, Brasil, Índia e Japão com o objetivo de apoiar as propostas uns dos outros para ingressar em lugares permanentes. 

 

A campanha para obter um assento rotativo no grupo começa dois anos antes. E, para garantir uma vaga, é preciso ter apoio dos países vizinhos da América Latina e também dois terços dos votos dos países membros da ONU. A próxima eleição ocorrerá em 2021 para o biênio 2022-2023. A última vez que o país ocupou essa cadeira foi no biênio 2010-2011, mas atual candidatura não é um mérito do governo atual, porque ela foi costurada durante a gestão do presidente Michel Temer, e, com isso, o Brasil antecipou o seu retorno em mais de dez anos para colegiado.  

 

A secretária informou que os investimentos da Índia no Brasil somam US$ 6 bilhões enquanto os investimentos brasileiros na Índia somam US$ 1 bilhão. “Os dois países possuem complementaridades e sinergias que podem ser ampliados. Acreditamos que o potencial de investimentos é muito maior”, destacou.

 

Foco em energia

A comitiva presidencial que acompanha o presidente é composta por oito ministros e quatro parlamentares, segundo Vijay. Ela informou que vários acordos estão sendo costurados em diferentes áreas, mas uma que a Índia tem mais interesse em aumentar a parceria com o Brasil é a de energia.  ‘O Brasil é um país rico em recursos naturais e líder na produção de etanol. Vamos buscar ampliar a colaboração nos setores de óleo e gás e no programa de energia renovável. O programa brasileiro traz a possibilidade de misturar etanol com gasolina e pretendemos fazer um intercâmbio dessa tecnologia”, explicou. 

 

Ao detalhar a agenda da visita que começa amanhã (24), a secretária lembrou que o presidente Bolsonaro, teve dois encontros com o primeiro-ministro da Índia, Narendra  Modi, em 2019. O primeiro, em Osaka, no Japão, durante o encontro dos países membros do G20 (grupo das 19 maiores economias desenvolvidas e emergentes do planeta mais a União Europeia), em outubro, e o segundo, em Brasília, durante a Cúpula dos Brics (grupo dos emergentes Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul), em novembro. O encontro durou apenas 25 minutos e houve a promessa de Bolsonaro retribuir a viagem neste mês.

Roteiro

Bolsonaro embarcou hoje por volta das 8h (horário de Brasília) com destino à Índia e fará duas paradas no caminho. O fuso horário entre os dois países é de 8 horas e meia. A primeira será em Angola e a segunda, no Quênia.

O desembarque do presidente está previsto para às 15h45 (horário local) e os compromissos oficiais estão previstos para o sábado (25), incluindo visita ao Memorial Mahatma Gandhi, pela manhã, e declaração conjunta de Bolsonaro e Modi no início da tarde, na Hyderabad House, local em que o governo indiano recebe autoridades estrangeiras e realiza banquetes. 

 

De acordo com a Secretaria de Comunicação do Palácio do Planalto integram a comitiva de Bolsonaro seis ministros, o presidente da Caixa, Pedro Guimarães, e parlamentares, incluindo o filho 03 do presidente, o deputado federal Eduardo Bolsonaro. 

 

Os ministros confirmados são os seguintes, Ernesto Araújo, das Relações Exteriores; Tereza Cristina, da Agricultura; Marcos Pontes, da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, General Heleno, do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), General Heleno; Luiz Eduardo Ramos, da Secretaria de Governo; e Bento Albuquerque, de Minas e Energia (MME).

 

O ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, está em férias até o dia 3 e, portanto, não participa da viagem e deverá ser representado pelo seu substituto, José Vicente Santini. O ministro da Economia, Paulo Guedes, que poderia se juntar ao presidente após participar do Fórum Econômico Mundial (WEF, na sigla em inglês), em Davos, na Suíça, também não teve a presença confirmada. Apenas o secretário especial de Comércio Exterior e Assuntos Internacionais da pasta, Marcos Troyjo, foi confirmado pelo Planalto.

 

No domingo, o presidente participa das celebrações do Dia da República indiana como convidado de honra e, na segunda-feira, de um seminário empresarial Brasil-Índia, pela manhã, e, à tarde, pegará um voo para Agra, onde fará uma visita ao palácio Taj Mahal,um dos maiores cartões postais do país. 

 

Agricultura

O setor agrícola também deve ter destaque na visita do presidente. A  ministra Tereza Cristina tem uma agenda cheia. Ontem, se encontrou com a ministra de Indústria e Processamento de Alimentos da Índia, Harsimrat Kaur Badal, e o ministro da Pesca, Pecuária e Lácteos, Giriraj Singh. No encontro discutirá oportunidades de investimentos de investimento de empresas brasileiras no setor de processamento de alimentos do país asiático.

Os indianos buscam recursos externos para cadeias de frios e redes de varejo, máquinas e equipamentos para indústria de alimentos e cooperação tecnológica. Já o Brasil demonstrou interesse em ampliar a participação no setor de carne de frango, e a Índia, em sucos concentrados, informou a assessoria do ministério brasileiro. Nesta quinta-feira, a ministra participa de encontro bilateral sobre oportunidades nas áreas de energia e de mineração.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade