Publicidade

Correio Braziliense

Bolsonaro critica ambientalistas: ''Fumam cigarrinho 'legal' a noite toda''

Declaração foi dada quando Bolsonaro comentou resistência de ambientalistas ao projeto de lei que busca autorizar mineração em terras indígenas


postado em 06/02/2020 12:38 / atualizado em 06/02/2020 13:29

O presidente Jair Bolsonaro fala à imprensa e cumprimenta populares ao sair do Palácio da Alvorada(foto: Antônio Cruz/Agência Brasil)
O presidente Jair Bolsonaro fala à imprensa e cumprimenta populares ao sair do Palácio da Alvorada (foto: Antônio Cruz/Agência Brasil)
Ao comentar, nesta quinta-feira (6/2), o projeto de lei que regulamenta a mineração e a geração de energia elétrica em terras indígenas, assinado por ele na quarta-feira (5/2), o presidente Jair Bolsonaro disse que espera a aporvação da medida pelo Congresso e voltou a criticar ambientalistas que se opõem à proposta.

"Nós apresentamos ontem um projeto de lei feito no Ministério de Minas e Energia. Eu assinei ontem, permitindo que as comunidades indígenas, entre outras coisas, façam turismo. Isso quem vai decidir, primeiro, é o Parlamento. Não sou eu. Espero que o Parlamento acolha isso daí", disse, na saída do Palácio da Alvorada.

Em seguida, criticou ambientalistas, como havia feito na quarta-feira, ao assinar o projeto. Na ocasião, disse que, se pudesse, confinaria os ambientalistas na Amazônia.

Nesta quinta-feira, o presidente atacou o que chama de ativistas "de paletó e gravata". "Vai ter pressão de ambientalistas. Ambientalistas de paletó e gravata, uísque, carpete, vendo televisão a noite toda e, também né, fumando um cigarrinho 'legal' a noite toda. É esse pessoal que é ambientalista. Se levar para dentro da Amazônia, se tiver um mosquito carapanã, ele vai falar: "Ui, ui! E vai sair correndo. Esses são os ambientalistas", descreveu o presidente.


Desenvolvimento na Amazônia

Ele disse ainda que a maioria dos ativistas ambientais vive de recursos de ONGs internacionais com o objetivo de estancar o desenvolvimento na Amazônia. "Alguns, não são todos, vivem de recurso de ONGs de fora do Brasil para exatamente inviabilizar o progresso na região. Essas ONGs dizem que são humanitárias. Não têm nem no interior do Nordeste. Lá, no pessoal pobre do Nordeste, não tem ONG, mas na Amazônia, tem né?".

No entanto, a última frase dita por Bolsonaro é rebatida pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Segundo a pasta, os nove estados que compõem a Amazônia Legal (os sete estados do Norte, mais Maranhão e Mato Grosso) têm, somados, 15.919 ONGs registradas. Enquanto isso, o Nordeste tem 44.496 entidades não governamentais.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade