Publicidade

Correio Braziliense

Augusto Aras recorre da decisão de Fachin que homologou delação de Cabral

Procurador-geral afirma que existem indícios de que ex-governador continua ocultando a localização de valores recebidos por meio de propina


postado em 11/02/2020 14:13

(foto: Evaristo Sá/AFP)
(foto: Evaristo Sá/AFP)
O procurador-geral da República, Augusto Aras, recorreu, nesta terça-feira (11/2), da decisão do ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), que homologou a delação do ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral.

 

Ao Correio, Aras já havia adiantado na semana passada que entraria com embargos contra o acordo. Cabral se comprometeu a devolver R$ 306 milhões recebidos por meio de propina da época em que ele era governador. 

 

O ex-chefe do Executivo carioca promete delatar diversas autoridades, entre elas integrantes do Poder Judiciário. Na peça enviada ao Supremo, endereçada a Fachin, o procurador pede que caso o acordo de colaboração seja mantido, não afete as prisões preventivas decretadas contra o ex-governador. Desta forma, ele não deixaria a cadeia de imediato.

 

No recurso, Aras afirma que "existem fundadas suspeitas de que o ex-governador continua ocultando o paradeiro de valores recebidos de forma ilícita ao longo do funcionamento do esquema criminoso que vem sendo desbaratado desde 2015". 

 

O procurador-geral afirma que esse fato vai contra “a boa-fé objetiva, condição necessária à elaboração de acordos de colaboração". Somadas, as penas de Cabral superam os 280 anos de prisão. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade