Publicidade

Correio Braziliense

Caso Marielle: Voz que liberou Élcio não é de porteiro que citou Bolsonaro

Laudo da Polícia Civil aponta que a voz seria de outro funcionário e que o morador responsável por autorizar entrada de Élcio de Queiroz ao condomínio Vivendas da Barra foi Ronie Lessa


postado em 11/02/2020 13:48

Ronie Lessa e Élcio Queiroz são acusados de participar do assassinato da vereadora Marielle Franco, morta em 14 de março de 2018(foto: Mário Vasconcellos/AFP)
Ronie Lessa e Élcio Queiroz são acusados de participar do assassinato da vereadora Marielle Franco, morta em 14 de março de 2018 (foto: Mário Vasconcellos/AFP)
A voz que atendeu o ex-PM Élcio de Queiroz no condomínio Vivendas da Barra, no Rio de Janeiro, horas antes do assassinato de Marielle Franco (PSOL) e do motorista Anderson Gomes, não é do porteiro que citou o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) na investigação, mas de outro funcionário. A conclusão consta em laudo da Polícia Civil obtido pelo jornal O Globo.

Segundo reportagem publicada nesta terça-feira (11/2) pelo veículo carioca, o documento assinado por seis peritos atesta ainda que o que o morador responsável por autorizar a entrada foi Ronie Lessa. A gravação, garantem os investigadores, é legítima, ou seja: não sofreu edição. Tanto Élcio quanto Lessa estão presos sob a acusação de terem participado do homicídio de Marielle. 

Um dos porteiros do condomínio chegou a dizer, em depoimento prestado no ano passado, que a entrada de Élcio havia sido liberada pelo então deputado federal Bolsonaro. O político, no entanto, estava em Brasília naquele dia. 

Análises

De acordo com O Globo, quatro porteiros estavam de plantão no dia da gravação - incluindo aquele que citou o presidente. As vozes dos quatro funcionários foram comparadas com o áudio coletado pela perícia do Instituto de Criminalística Carlos Éboli (ICCE).

Portaria do Condomínio Vivendas da Barra, na Barra da Tijuca, Rio de Janeiro(foto: Google Maps/Divulgação)
Portaria do Condomínio Vivendas da Barra, na Barra da Tijuca, Rio de Janeiro (foto: Google Maps/Divulgação)


Exames acústicos e biométricos constataram, em primeiro lugar, que o porteiro que atendeu Élcio não foi o mesmo que mencionou o presidente. Outra conclusão é de que o morador que liberou a visita foi Ronie Lessa. 

"A gravação possui características convergentes com a fala padrão coletada pelo porteiro Z, mais do que qualquer dos outros porteiros analisados", descrevem os peritos no laudo, embora reconheçam "limitações na quantidade de material examinado". 

O Ministério Público do Rio de Janeiro já havia levantado a tese de que o aval para a entrada de Élcio no Vivendas da Barra partiu de Lessa. O porteiro que mencionou Bolsonaro inclusive recuou e disse ter lançado errado a entrada do ex-PM no condominío. 

O laudo da Polícia Civil reforça o argumento de que o porteiro agiu a mando de terceiros. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade