Politica

STJ autoriza nomeação de Sérgio Camargo para a Fundação Palmares

Indicado em novembro, Sérgio gerou polêmica ao defender o fim do Dia da Consciência Negra e dizer que ''a escravidão foi benéfica para o Brasil''

Renato Souza
postado em 12/02/2020 14:49

Sérgio CamargoO Superior Tribunal de Justiça (STJ) derrubou, nesta quarta-feira (12/2), liminar da Justiça Federal e autorizou a nomeação de Sérgio Nascimento de Camargo para a presidência da Fundação Cultural Palmares. Ele, que se identifica como jornalista, provocou reações ao defender a extinção do Dia da Consciência Negra.

Com a decisão do STJ, que acatou um recurso da Advocacia-Geral da União (AGU), Sérgio pode juridicamente voltar ao cargo. No entanto, ele foi nomeado na gestão do ex-secretário de Cultura, Roberto Alvim, demitido após copiar o discurso do ministro da propaganda nazista Joseph Goebbels.

No lugar de Alvim, entra a atriz Regina Duarte, que aguarda o encerramento de seu contrato com a Rede Globo para ocupar a Secretaria Especial de Cultura.

Polêmicas

No ano passado, Sérgio defendeu o fim do feriado da Consciência Negra, porque causaria ;incalculáveis perdas à economia do país; e que seria uma data instituída para o "preto babaca", que é "um idiota útil para a pauta ideológica progressista". Sérgio também chamou o líder antiescravagista Zumbi dos Palmares, símbolo do movimento negro, de "falso herói".


A primeira decisão que suspendeu a nomeação, em novembro do ano passado, foi tomada pelo juiz federal substituto Emanuel José Matias Guerra, da 18; Vara Federal do Ceará.


"Menciono, a título ilustrativo, declarações do senhor Sérgio Nascimento de Camargo em que se refere a Angela Davis como ;comunista e mocreia assustadora;, em que diz nada ter a ver com ;a África, seus costumes e religião;, que sugere medalha a ;branco que meter um preto militante na cadeia por crime de racismo;, que diz que ;é preciso que Mariele morra. Só assim ela deixará de encher o saco;, ou que entende que ;Se você é africano e acha que o Brasil é racista, a porta da rua é serventia da casa", escreveu o magistrado na decisão.

Ao analisar um recurso, o Tribunal Federal Regional da 5; Região (TRF-5) manteve a suspensão de Sérgio. Agora, com a decisão do STJ, porém, ela perde o efeito.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação