Publicidade

Correio Braziliense

Braga Netto é "cotado para qualquer coisa", afirma Bolsonaro

O chefe do Executivo não respondeu sobre a possível mudança nos ministérios da Casa Civil e Cidadania


postado em 13/02/2020 13:19 / atualizado em 14/02/2020 16:42

Presidente teceu elogios ao general Braga Netto, cotado para assumir a Casa Civil no lugar de Onyx Lorenzoni(foto: Carolina Antunes/PR)
Presidente teceu elogios ao general Braga Netto, cotado para assumir a Casa Civil no lugar de Onyx Lorenzoni (foto: Carolina Antunes/PR)
O presidente Jair Bolsonaro elogiou nesta quinta-feira (13/2) o general Walter Braga Netto e afirmou que ele “é cotado para qualquer coisa”. No entanto, na saída do Palácio da Alvorada, o chefe do Executivo não respondeu sobre a possível mudança nos ministérios da Casa Civil e Cidadania. Questionado pela imprensa se o ministro Osmar Terra continua no cargo, ele se ateve a dizer que, se mudar alguma coisa, sairá no Diário Oficial da União (DOU).

“Você viu alguma coisa no Diário Oficial da União?”. Ao ser novamente perguntado sobre a permanência dele, repetiu: “Já viu publicada alguma coisa no DO?”. Sobre quando as trocas seriam feitas, disse: “Quando você vir, se tiver, quando você vir publicado no DO”. Ele também não detalhou se as mudanças ocorrerão antes do Carnaval.

Em seguida, o presidente teceu elogios ao general Braga Netto, cotado para assumir a Casa Civil no lugar de Onyx Lorenzoni. “O Braga Netto eu conheço há algum tempo, me dou bem com ele, ganhou uma projeção muito grande, numa situação complicadíssima, naquela intervenção na segurança do Rio de Janeiro. É um homem cotado para qualquer coisa”, falou.

Indagado sobre o conteúdo da conversa desta quarta-feira (12/2) com Osmar Terra no Palácio do Planalto, o presidente respondeu que foi sobre "amor". "Me dou muito bem com ele, sem problema nenhum, tem um bom trabalho", disse Bolsonaro. 

Ontem, o chefe do Palácio do Planalto convidou o general Walter Souza Braga Netto para ocupar o cargo de ministro da Casa Civil. A expectativa é de que o atual chefe da pasta, Onyx Lorenzoni, por sua vez, seja deslocado para o Ministério da Cidadania, comandada por Osmar Terra. Na dança das cadeiras, Terra seria “consolado” com alguma embaixada brasileira na América do Sul.

Ainda não houve nenhuma confirmação das alterações por parte do Executivo federal e tampouco os ministérios da Casa Civil e da Cidadania responderam sobre as eventuais trocas. 

Onyx e Terra tiveram encontros pessoais com Bolsonaro nesta quarta-feira (12/2). Pela manhã, Onyx acompanhou o presidente em reunião com a Frente Parlamentar da Agricultura e, na sequência, conversou a sós com o mandatário brasileiro por aproximadamente 30 minutos. À tarde, após deixar uma agenda pessoal, Onyx negou que seria remanejado para a Cidadania: "Ninguém afirmou isso". 

O ministro ainda participou de outro evento no Palácio do Planalto, e ficou sentado ao lado de Bolsonaro. Ao final da solenidade, o chefe da Casa Civil saiu sem falar com jornalistas e, de longe, acenou para a imprensa, sorrindo. 

Bolsonaro também esteve frente a frente com Terra. Esperava-se um movimento por parte do presidente, no entanto, o encontro não ocorreu a portas fechadas, mas sim, com um grupo de artistas e atletas, entre eles o ex-pugilista Popó, o iatista Lars Grael, o nadador Daniel Dias e o lutador de MMA Minotauro, que participam de uma campanha antidrogas. No final da tarde, Terra foi chamado para uma nova reunião com o presidente, dessa vez, a sós. 


Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade