Publicidade

Correio Braziliense

CPMI das Fake News ouve um dos donos da Yacows

Empresa é acusada de fazer impulsionamento de mensagens ilegal nas eleições de 2018


postado em 19/02/2020 15:40 / atualizado em 19/02/2020 15:59

Lindolfo Antônio Alves Neto é ouvido na CPMI das Fake News(foto: YouTube/Reprodução)
Lindolfo Antônio Alves Neto é ouvido na CPMI das Fake News (foto: YouTube/Reprodução)
A sessão desta quarta (19/2) da comissão parlamentar mista de inquérito (CPMI) das Fake News debate sobre o direito do depoente de mentir. O argumento do advogado de Lindolfo Antônio Alves Neto, um dos proprietários da empresa Yacows é que o requerimento de convocação feito pelo deputado federal Rui Falcão (PT-SP) não especificava se ele era testemunha ou investigado. Ficou definido que ele será tratado como investigado e, por isso, não teria o dever de falar a verdade para não produzir provas contra si. 

 

Lindolfo respondeu evasivamente às primeiras perguntas, que confrontavam o depoimento de seu ex-funcionário, Hans River do Rio Nascimento, que acusa a Yacows de usar CPFs de laranjas para acionar chips e fazer disparo de mensagens. O presidente da CPMI, Ângelo Coronel (PSD-BA) fez as perguntas e também atendeu a perguntas de colegas do colegiado. O convocado disse que compra chips de outras empresas e de representantes de telefonias. Muitos são velhos.

 

O primeiro desentendimento ocorreu quando, atendendo uma pergunta do deputado Éder Auro (PSD-PA), que perguntou se ele fez trabalhos para o PT, PSDB e PSol. As legendas não admitiram a pergunta direcionada, que exclui os partidos governistas. Por fim, Ângelo Coronel perguntou se procuraram a empresa os candidatos Henrique Meirelles, Ciro Gomes, Fernando Haddad e Jair Bolsonaro

 

“Henrique Meirelles, sim. É importante salientar que nós temos diversas revendas de agências que vendem nosso serviço com o nome deles. Pelo que disponibilizamos na lista de clientes, temos o Henrique Meirelles, Ciro Gomes, não me recordo, não está na lista. Fernando Haddad é um caso específico, pois uma agência que acredito que faça campanha para ele, já utilizava a plataforma e utilizou nossa ferramenta, então, foi feito indiretamente, mas não houve pagamento para nós”, afirmou.

 

A resposta gerou um novo bate-boca, e Lindolfo não respondeu se alguém ligado a Jair Bolsonaro procurou os serviços da Yacows. Parlamentares pediram que ele respondesse, mas, para dar fim à animosidade, o senador Ângelo Coronel deu a palavra à relatora, Lídice da Mata (PSD-BA) que, pelo regimento, era quem tinha direito à fala. Ela chamou a atenção que o presidente da comissão não deveria ter atendido às perguntas dos demais parlamentares e que o disparo de mensagem não é necessariamente crime eleitoral, mas precisa estar registrado e ser feito para uma base eleitoral voluntariamente cadastrada. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade