Publicidade

Correio Braziliense

"Sou da periferia e cumpro meu papel", diz procurador ao discutir com Lula

Discussão ocorreu durante audiência em Brasília. Procurador rebateu o ex-presidente após este dizer que nasceu em um lugar "onde as pessoas eram pobres, mas tinham dignidade"


postado em 19/02/2020 16:20 / atualizado em 19/02/2020 16:58

Lula voltou a negar que tenha recebidos empresários para tratar do tema(foto: FILIPPO MONTEFORTE/AFP)
Lula voltou a negar que tenha recebidos empresários para tratar do tema (foto: FILIPPO MONTEFORTE/AFP)
O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva discutiu com um procurador do Ministério Público durante o depoimento que prestou à Justiça Federal de Brasília, nesta quarta-feira (19/2). 

 

Durante audiência, o petista se irritou com as perguntas feitas pelo procurador da República Igor Miranda da Silva e disse que está cansado de ser alvo de ilações. "Estou cansado de mentiras", disse em determinado momento.

"A desgraça de quem conta a primeira mentira é passar o resto da vida mentindo. Eu desafio qualquer um a provar que um recebi 5 centavos de algum empresário. Parem de insinuar coisas a meu respeito", disse o ex-presidente ao representante do Ministério Público. O petista disse ainda que nasceu em um lugar "onde as pessoas eram pobres, mas tinham dignidade". 


"Sou negro e nasci na periferia"

O procurador, formado em direito pelo Uniceub e aprovado no concurso para o Ministério Público Federal em 2012, respondeu afirmando que é "negro e nasceu na periferia" e que apenas está cumprindo seu papel no julgamento. 

 

Igor Miranda foi indicado para atuar nos processos da Operação Zelotes, que investiga irregularidades em um contrato de compra de caças suecos no governo petista. 

 

Lula responde ação penal pela acusação de receber propina para editar a medida provisória 471, que estendeu benefícios fiscais para montadoras. Em depoimento, o ex-chefe do Executivo negou ter recebido empresários para tratar do assunto e disse que as MPs tramitam no Congresso Nacional, e não no governo.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade