Publicidade

Correio Braziliense

Senador Cid Gomes é baleado em meio a um protesto de policiais no Ceará

Senador tentava furar bloqueio de policiais com uma retroescavadeira quando foi atingido por dois disparos de arma de fogo


postado em 19/02/2020 17:54 / atualizado em 19/02/2020 20:31

(foto: Reprodução/ redes sociais )
(foto: Reprodução/ redes sociais )
O senador Cid Gomes (PDT-CE) foi baleado, nesta quarta-feira (19/2), em meio a um protesto de policiais em Sobral, no Ceará. O caso ocorreu na região norte, em frente ao Batalhão Militar do município. 

 

Informações iniciais eram de que o senador teria sido atingido por uma bala de borracha, mas a assessoria do pedetista corrigiu a notícia, afirmando que os ferimentos foram provocados por arma de fogo. Cid Gomes foi encaminhado ao Hospital do Coração de Sobral e passa pelos procedimentos de estabilização. A intenção é transferi-lo para a Santa Casa de Misericórdia. 

 

No momento dos disparos, o senador pilotava uma retroescavadeira e tentava furar um bloqueio feito por policiais militares. Os tiros quebraram os vidros do veículo e feriram o parlamentar. Gravações feitas no momento da confusão mostram sangue na região do tórax. 

 

Pelo Twitter, o irmão do senador, o político Ciro Gomes, disse que Cid foi atingido por dois tiros, mas que não corre risco de morrer. "Até aqui as informações são de que as balas não atingiram órgãos vitais, apesar de terem mirado seu peito esquerdo", escreveu. Ciro disse, ainda, esperar punição. "Espero serenamente, embora cheio de revolta, que as autoridades responsáveis apresentem prontamente os marginais que tentaram este homicídio bárbaro às penas da lei", completou.  

 



Cid Gomes, que está licenciado, organizava um protesto contra um grupo de policiais que tenta impedir o trabalho da Polícia Militar. Nesta quarta-feira, policiais em busca de aumentos salariais secaram pneus de viaturas para impedir que os agentes de segurança atuassem na ruas.

 

Ministério da Justiça acompanha

O Ministério da Justiça e Segurança Pública informou que "está acompanhando a situação no Ceará e analisando as providências que podem ser tomadas". De acordo com a pasta, equipes da Polícia Rodoviária Federal e Polícia Federal foram enviadas para Sobral para garantir a segurança do senador. 

 

O presidente do Senado e do Congresso Nacional, Davi Alcolumbre (DEM-AP), afirmou que acompanha com preocupação a situação do senador licenciado Cid Gomes (PDT-CE), atingido por disparo de arma de fogo, na tarde desta quarta-feira (19/02), na cidade cearense de Sobral, quando liderava um protesto contra a greve da PM do estado.

 

"Acompanho com preocupação os desdobramentos do ocorrido com o senador Cid Gomes, na tarde desta quarta-feira (19), em Sobral, no Ceará. Entrei em contato o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, e com o governador do Ceará, Camilo Santana, para obter informações e garantir a segurança do parlamentar", informou Alcolumbre, por meio de nota. Ele fez o anúncio após se reunir com o senador Prisco Bezerra (PDT-CE), que o procurou no gabinete da presidência do Senado.

 

Bezerra é suplente de Cid Gomes e assumiu interinamente o mandato quando o titular foi licenciado, a pedido, para cuidar de assuntos particulares. A licença, iniciada em 11 de dezembro de 2019, termina em 10 de abril deste ano.

 

Deputados comentam

A líder da Minoria na Câmara, deputada Jandira Feghali (PCdoB-RJ), também comentou o episódio na rede social: "Espero que esteja tudo bem com o senador Cid Gomes. Situação complicadíssima na cidade de Sobral (CE) e enfrentada por ele enquanto autoridade. Motim, toque de recolher, 'milicianos'. Muito grave", disse a parlamentar.

 

Já o deputado Daniel Silveira (PSL-RJ), preferiu responsabilizar o senador pelo episódio e atacar a imprensa: "O senador Cid Gomes pega um trator e tenta invadir um batalhão da PM. O resultado? Bala de borracha em cima dele! Extrema Imprensa em polvorosa: 'O irmão do Ciro foi baleado!'". 

 

Imagens sobre a confusão circulam nas redes sociais. Confira:   

 

 

 

 

 

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade