Publicidade

Correio Braziliense

Guedes sobre reforma administrativa: Pode ser enviada depois do carnaval

Ministro defende que reforma do funcionalismo tenha regras mais duras e seja mandada logo para o Legislativo


postado em 20/02/2020 14:00 / atualizado em 20/02/2020 15:40

Possível recuo do governo em relação a essa proposta foi cogitado depois que Guedes comparou os servidores a parasitas(foto: Antônio Cruz/Agência Brasil)
Possível recuo do governo em relação a essa proposta foi cogitado depois que Guedes comparou os servidores a parasitas (foto: Antônio Cruz/Agência Brasil)
O presidente Jair Bolsonaro ainda está fazendo ajustes ao texto da reforma administrativa. Por isso, nem o ministro da Economia, Paulo Guedes, que é um grande defensor da proposta que muda as regras do funcionalismo público, sabe quando o texto deve ser enviado ao Congresso Nacional.

"Não sei, pode ser amanhã, pode ser depois do Carnaval. Ele está fazendo os últimos ajustes", afirmou Paulo Guedes, quando foi questionado sobre o andamento da reforma administrativa nesta quinta-feira (20/2). 

O ministro, que recentemente entrou em zona de conflito com o presidente Jair Bolsonaro por defender que a reforma do funcionalismo tenha regras mais duras e seja mandada logo para o Legislativo, garantiu, por sua vez, que o texto será enviado ao Congresso pelo presidente Jair Bolsonaro. 

Um possível recuo do governo em relação a essa proposta foi cogitado depois que Guedes comparou os servidores à parasitas, aumentando as críticas dos servidores em relação à reforma do funcionalismo público. Depois disso, o envio foi adiado novamente para que o texto passasse por novos ajustes. O governo chegou até a cancelar um evento no Palácio do Planalto nesta semana para que Guedes e Bolsonaro se reunissem com outros ministros para tratar do assunto em uma reunião a portas fechadas que teria deixado claro a insatisfação do presidente com o ministro e vice versa.

"O presidente vai mandar. Está fazendo os últimos toques dele lá", afirmou Guedes, que falou rapidamente com a imprensa depois de sair caminhando de um evento no Ministério da Defesa em direção ao Ministério da Economia nesta quinta-feira.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade