Publicidade

Correio Braziliense

''É normal que o Congresso queira entrar no orçamento'', diz Paulo Guedes

Fala de Guedes ocorre após o ministro, Augusto Heleno, ter afirmado que o Congresso ''chantageia'' o governo


postado em 20/02/2020 14:29 / atualizado em 20/02/2020 14:44

Ministro da economia disse ainda que não é necessário brigar por verba de R$ 10 bilhões(foto: Antônio Cruz/Agência Brasil)
Ministro da economia disse ainda que não é necessário brigar por verba de R$ 10 bilhões (foto: Antônio Cruz/Agência Brasil)
O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou nesta quinta-feira (20/2) que é normal que o Congresso queira ter controle sobre parte do orçamento de 2020. No entanto, apontou, a Casa não precisa “pisar no pé” do governo.

“Temos que transformar todo esse aparente desentendimento, na verdade, em um olhar crítico de construir um futuro melhor. É normal que o Congresso queira entrar no orçamento, mas peraí, não precisa pisar no nosso pé”, ressaltou.

Ele disse ainda que pode haver “exagero de uma lado ou do outro”. “Todo mundo fica nervoso. É natural isso. Às vezes o Congresso fica nervoso achando que estamos pressionando, às vezes fica nervoso o nosso time do lado de cá, porque fala peraí, estamos no presidencialismo, não em um parlamentarismo branco”, emendou.

A fala de Guedes ocorre após o ministro do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), Augusto Heleno, ter afirmado que o Congresso “chantageia” o governo. A crítica se refere à insatisfação do militar com um acordo entre parlamentares e o general Luiz Eduardo Ramos, ministro da Secretaria de Governo, sobre o controle da execução de emendas parlamentares ao orçamento. 

O ministro da economia disse ainda que não é necessário brigar pela verba de R$ 10 bilhões, uma vez que o pacto federativo pode dar maior autonomia aos estados e municípios. “Tem um orçamento de R$ 1,5 trilhão, para quê vamos brigar por causa de 10, 15 ou 20 bilhões? Tem um R$ 1,5 trilhão. Basta descarimbar. Vamos fazer o pacto federativo. Aprovemos as reformas.", concluiu.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade