Publicidade

Correio Braziliense

''Correios caminham para privatização'', afirma Bolsonaro

No começo de janeiro, o porta-voz da República, Otávio Rêgo Barros, afirmou que o governo não iria recuar no processo de privatização da empresa


postado em 20/02/2020 17:07 / atualizado em 20/02/2020 17:20

Bolsonaro já afirmou que se pudesse, privatizaria ainda este ano os Correios(foto: Marcos Corrêa/PR)
Bolsonaro já afirmou que se pudesse, privatizaria ainda este ano os Correios (foto: Marcos Corrêa/PR)
O presidente Jair Bolsonaro afirmou, na tarde desta quinta-feira (20/2), que os Correios "caminham para a privatização". "Algumas instituições não vão ser privatizadas enquanto eu for presidente, mas os Correios caminham para a privatização. Até porque foram foco no ano passado de grandes escândalos e também é um monopólio que não pode ter prejuízo. A própria Petrobras está anunciando agora lucro recorde e, em grande parte, porque também não foi loteada politicamente", apontou.

No começo de janeiro, o porta-voz da República, Otávio Rêgo Barros, afirmou que o governo não iria recuar na privatização da empresa. Pelo contrário, colocaria todo o esforço para realizá-la até o fim de sua gestão. 

O próprio presidente já afirmou que, se pudesse, privatizaria ainda este ano os Correios, mas comentou que não é um processo fácil. Além de ser uma decisão que impacta a vida de empregados públicos, ele cita que a venda de uma estatal depende da aprovação do Congresso Nacional, em um processo que tende a envolver, também, a atuação do Tribunal de Contas da União (TCU). 

A privatização dos Correios ainda está em fase de debates no governo. Em agosto, a estatal foi incluída no Programa de Parcerias de Investimentos (PPI) em fase de estudos, e não diretamente no Programa Nacional de Desestatização (PND). Ou seja, primeiro o governo discutirá como será feita a venda da estatal ao capital privado, para, depois, iniciar o processo político de articulação com deputados e senadores para a venda da empresa.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade