Publicidade

Correio Braziliense

Governadores desafiam o presidente e mantêm regras de isolamento

Governadores entram em colisão com o Executivo e dizem que seguirão com regras de isolamento criticadas pelo presidente. Após trocar farpas com o chefe do Planalto, Doria convoca reunião de mandatários dos entes federativos e, em carta, eles pedem serenidade ao governo


postado em 26/03/2020 06:00

A videoconferência com governadores do Sudeste foi tensa, com troca de acusações entre Doria e Bolsonaro(foto: Marcos Corrêa/PR)
A videoconferência com governadores do Sudeste foi tensa, com troca de acusações entre Doria e Bolsonaro (foto: Marcos Corrêa/PR)
Num momento em que o país precisa de união para combater a pandemia do coronavírus — responsável por 57 mortes e mais de dois mil infectados até agora no país —, os governos federal e estaduais estão com relações abaladas. Com uma postura de minimizar a Covid-19 e criticar medidas tomadas por estados e municípios para evitar a disseminação da doença, o presidente Jair Bolsonaro entrou em conflito com quase todos os chefes de Executivos dos entes federativos.

Depois de criticar — em pronunciamento em rede nacional, na terça-feira — os governantes que fecharam comércio e escolas, Bolsonaro voltou à carga ontem. Chamou a atitude de chefes de Executivos de “demagogia barata” em cima da crise. Os alvos principais dele foram Wilson Witzel (PSC), do Rio de Janeiro, e João Doria (PSDB), de São Paulo. “Para esconder outros problemas, se colocam junto à mídia como os salvadores da pátria, como messias que vão salvar os seus estados e o Brasil do caos. Fazem política o tempo todo”, disparou, à porta do Alvorada, ontem. “O que estão fazendo no Brasil, alguns poucos governadores e alguns poucos prefeitos, é um crime. Eles estão arrebentando com o Brasil, estão destruindo empregos. E falam: ‘Ai, a economia é menos importante do que a vida’. Cara-pálida, não desassocia uma coisa da outra. Sem dinheiro, sem produção, o povo do campo também vai deixar de produzir. Nós vamos viver do quê?”

Os ânimos se acirraram de vez durante a videoconferência de Bolsonaro com os governadores do Sudeste. Isso porque Doria e Witzel, possíveis candidatos às eleições de 2022, vêm trocando farpas com o presidente desde o passado. A reunião foi marcada por um bate-boca entre Bolsonaro e Doria. O governador iniciou sua fala lamentando o pronunciamento do chefe do Planalto, na terça-feira. “O senhor, como presidente da República, tem de dar o exemplo. Tem de ser mandatário para comandar, para dirigir, liderar o país, e não para dividir”, disparou.

O presidente, por sua vez, disse que, em 2022, ano de eleições para a Presidência, Doria poderá “destilar todo o ódio e demagogia”. “Vossa excelência não é exemplo para ninguém. Não aceito, em hipótese alguma, essas palavras levianas”, rebateu.

Já Witzel, após a videoconferência, evitou críticas a Bolsonaro. Ainda assim, em entrevista coletiva, reiterou pedido para que a população fique em casa até o próximo dia 4, quando será reavaliada a situação do Rio de Janeiro, com possibilidade de ajuste nas atividades produtivas.

“Não queremos acabar com as empresas, exterminar empregos. Queremos preservar vidas. Ressuscitar a economia, a gente consegue. Ressuscitar quem morreu é impossível”, argumentou. “A determinação é clara: fique em casa. Peço encarecidamente àqueles que ouviram o pronunciamento ontem (terça-feira), que aguardem. Pronunciamento não tem validade jurídica, pronunciamento é opinião política”, acrescentou.

O governador de Minas Gerais, Romeu Zema (Novo), afirmou, por sua vez, que manterá as recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS) e que sua “prioridade é salvar vidas”. Ele reconheceu a preocupação com a questão econômica. “É importantíssimo nós termos algumas medidas nesse sentido com uma certa urgência. Minas Gerais é um estado que está sendo seriamente impactado. Vamos ter, caso essa situação perdure, uma queda na arrecadação de ICMS na ordem de R$ 7,5 bilhões. Isso seria catastrófico para o nosso estado”, alertou.

Reunião nacional
 
Ontem à tarde, governadores de 26 unidades da Federação — à exceção de Ibaneis Rocha (MDB), do DF — reuniram-se, também por videoconferência. Foi Doria quem articulou o encontro. Ao fim da conversa, eles escreveram uma carta a Bolsonaro, na qual desejam que ele “tenha serenidade e some forças com os governadores na luta contra a crise do coronavírus e seus impactos humanitários e econômicos”.

Eles concordaram em manter medidas para controlar a circulação de pessoas e fizeram pedidos, como a suspensão, por 12 meses, do pagamento das dívidas dos estados com União, Caixa Econômica Federal, Banco do Brasil e Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), para aplicação em serviços de saúde e investimento em obras, redução da meta de superavit primário do governo federal e aplicação da Lei 10.835/2004, que institui a renda básica de cidadania, a fim de propiciar recursos destinados a amparar a população economicamente vulnerável.

Participou do encontro o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ). Ele ouviu outro apelo dos governadores: o de que a Casa agilize a aprovação do Plano Mansueto, proposta de socorro a estados e municípios. “Essa foi uma pauta urgente dos governadores, e nós vamos trabalhar para que ela seja aprovada no início da semana (que vem)”, disse o deputado.

Até então aliado de Bolsonaro, o governador de Goiás, Ronaldo Caiado (DEM), criticou o pronunciamento de terça-feira do presidente e sinalizou rompimento com ele. “Fui aliado durante todo o tempo, mas não posso admitir que vem agora um presidente da República lavar as mãos e responsabilizar outras pessoas por um colapso econômico, uma falência de empregos que venha a acontecer”, reprovou. “Não faz parte da postura de um governante. Um estadista tem de ter a coragem de assumir as dificuldades.” Caiado afirmou que, assim como o presidente, agora só se entrará em contato com ele por meio de comunicados oficiais.

Ibaneis
 
Primeiro governador a decretar medidas de restrição no combate ao coronavírus, como suspensão de aulas e fechamento do comércio, Ibaneis Rocha foi diplomático ao comentar o pronunciamento de Bolsonaro. Para ele, o chefe do Executivo federal tem razão em parte ao defender que o país não pode parar: “Não é hora de politizar ou polemizar. Bolsonaro tem parte da razão. Afinal, muitos municípios pequenos, sem qualquer caso de coronavírus, estão fechando”. Ibaneis ressaltou, porém, que essa não é a realidade em todas as localidades. “De outra parte, cidades como São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília têm situações diferenciadas. Eu vou manter o meu foco em cuidar das pessoas. Acredito e preciso do apoio do Ministério da Saúde e da Economia.” (Colaborou Ana Maria Campos)

OMS ressalta perigo
 
O diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, foi questionado ontem sobre as declarações recentes do presidente Jair Bolsonaro de que a doença seria similar a um resfriado. Ele comentou que em várias nações há muita necessidade agora de atendimentos de urgência, por causa da doença. “Em muitos países, o coronavírus é uma doença muito séria”, frisou. “A responsabilidade é de todos, especialmente a liderança política. O governo inteiro deve estar envolvido.”

Aspas 

“Não é hora de politizar ou polemizar. Bolsonaro tem parte da razão. Afinal, muitos municípios pequenos, sem qualquer caso de coronavírus, estão fechando (…). De outra parte, cidades como São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília têm situações diferenciadas”, Ibaneis Rocha, governador do DF

“O senhor, como presidente da República, tem de dar o exemplo. Tem de ser mandatário para comandar, para dirigir, liderar o país, e não para dividir”, João Doria, governador de SP

“Não queremos acabar com as empresas, exterminar empregos. Queremos preservar vidas. Ressuscitar a economia, a gente consegue. Ressuscitar quem morreu é impossível”, Wilson Witzel, governador do RJ

“Dizer que isso é um resfriadinho, uma gripezinha. Ninguém definiu melhor do que 
o (Barack) Obama: ‘Na política e na vida, a ignorância não é 
uma virtude’”, Ronaldo Caiado, governador de GO

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade