Politica

Última chamada

Correio Braziliense
Correio Braziliense
postado em 26/03/2020 04:03
A carta dos 26 governadores propondo medidas econômicas, chamando o governo federal, leia-se, o presidente Jair Bolsonaro, a liderar o processo de combate ao coronavírus, e a quebra do silêncio do vice-presidente Hamilton Mourão, são tratados nos bastidores do poder como um alerta: ou o presidente sai da linha de confronto, e senta-se à mesa para um trabalho sereno, a fim de sair da crise da saúde e buscar soluções para a economia, ou será tratado por todos como a ;rainha da Inglaterra;, isolada no Castelo de Windsor.

A avaliação geral é a de que o presidente adota esse discurso mais agressivo aos estados para não se contaminar com a crise econômica inexorável, deixando tudo no colo dos governadores ;; que adotaram a quarentena recomendada pela Organização Mundial de Saúde (OMS), a fim de evitar que o crescimento rápido do número de casos leve a um colapso dos serviços de saúde. Ocorre que, como disse Mourão, a primeira onda é a da saúde. A segunda, a da economia. Logo, para surfar na segunda, é preciso passar pela primeira que, em um mês, registrou 2.433 casos, com 57 mortes.


Militares com Mourão

Os generais que apoiaram a eleição de Bolsonaro, de corpo e alma, hoje estão mais afinados com Mourão. Nas redes de generais, o vice é altamente elogiado.

Abin de olho no coronavírus

A Agência Brasileira de Inteligência tem feito relatórios, quase que diários, a respeito da evolução da Covid-19 no Brasil, de olho nas curvas dos outros países. Um dos cenários indica que a situação por aqui segue o que ocorreu na França e na Alemanha. Os franceses já estão em confinamento. Os alemães estão com três estados em lockdown. Bares e restaurantes abertos apenas para serviço de entrega e todos os estabelecimentos que tenham contato corporal fechados.

Se é ;gripezinha;...

Não é caso de calamidade pública. Já tem gente dizendo que, se o presidente insistir nessa tese, terá que pedir revisão do decreto.

DEM buscará outro caminho

A saída do governador de Goiás, Ronaldo Caiado, da base de Bolsonaro, afasta quase que por completo o Democratas do atual governo. Os ministros do partido ;; Luiz Henrique Mandetta (Saúde), Teresa Cristina (Agricultura) e Onyx Lorenzoni (Cidadania) ;; estão por conta própria.

Fixação eleitoral

Na reunião dos governadores do Sudeste com Bolsonaro, o único a quem ele respondia a qualquer intervenção era o de São Paulo, João Dória. Deixou claro que vê no paulistano um rival para o futuro.

Corrida do bem/ A Câmara aprovou uma série de projetos para aliviar a situação dos mais vulneráveis, enquanto o governo federal faz uma série de reuniões para anunciar novas medidas para proteção dos mais vulneráveis.
Padrinho/ Ronaldo Caiado (foto) foi um dos maiores entusiastas da ida de Mandetta para o Ministério da Saúde. Ou seja, se Bolsonaro, em algum momento, resolver substituí-lo, não faltarão governadores para abrigá-lo na equipe.

Chama o Meirelles/ O secretário de Fazenda de São Paulo, Henrique Meirelles, voltou a ser o sonho de consumo do mercado para o lugar de Paulo Guedes. Em especial, depois da postura serena que demonstrou nos últimos dias.

Nem pensar/ Bolsonaro não pensa em chamar ninguém que trabalhe no governo de São Paulo para atuar em seu governo. Se houver qualquer mudança, será caseira.


Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação