Politica

Campanha contra o isolamento social é alvo de denúncias de congressistas

Parlamentares recorrem ao STF e ao TCU por causa de peça publicitária do governo que incentiva o fim do distanciamento social. Frente de prefeitos ameaça também ir à Justiça. Secretaria de Comunicação diz que material foi produzido em caráter experimental

Jorge Vasconcellos
postado em 28/03/2020 07:00
 (foto: Marcos Oliveira/Agência Senado)
(foto: Marcos Oliveira/Agência Senado)
Alessandro Vieira sobre a campanha: ''É contraproducente, prejudica a saúde do cidadão brasileiro e chega às raias de ser criminoso''Em mais uma controvérsia criada pelo presidente Jair Bolsonaro, a campanha ;O Brasil não pode parar;, do governo federal, já é alvo de questionamentos no Supremo Tribunal Federal (STF) e no Tribunal de Contas da União (TCU), por contrariar as recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS) ante o avanço do novo coronavírus. Com argumento de preservar a economia, a campanha prega a flexibilização do isolamento social imposto por governadores e prefeitos.

No valor de R$ 5 milhões, a campanha, realizada sem licitação, em razão do estado de calamidade pública do país, vai na contramão do entendimento de especialistas e de governantes de todo o mundo, que defendem o distanciamento social como a melhor maneira de frear a pandemia.

O senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE) e os deputados Felipe Rigoni (PSB-ES) e Tabata Amaral (PDT-SP) deram entrada em uma ação no STF pedindo a suspensão imediata da campanha. Em nota, o senador afirmou que o lançamento de uma campanha publicitária, ;que não seja baseada no melhor entendimento dos especialistas do Ministério da Saúde e da Organização Mundial da Saúde, é contraproducente, prejudica a saúde do cidadão brasileiro e chega às raias de ser criminoso;.
Já o PSB protocolou uma denúncia com pedido de medida cautelar no TCU contra a campanha. ;A inconsequente postura da Presidência da República, além de configurar grave atentado à saúde pública no Brasil, viola as exigências constitucionais e infraconstitucionais para a publicidade do governo federal, situação que revela risco patente de lesão ao Erário;, diz um trecho da denúncia.

Vários parlamentares foram ao Twitter criticar a intenção do governo. O senador Rogério Carvalho (PT-SE), por exemplo, considerou um desperdício de dinheiro público uma campanha que, na visão dele, estimula a população a se expor ao risco de contaminação pelo coronavírus.

Carvalho, que é médico, lembrou que o isolamento social é uma orientação da OMS e pode proteger os brasileiros. O parlamentar também destacou que o próprio ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, alertou que, em abril, o sistema de saúde do Brasil poderá entrar em colapso, por conta da crescente demanda por atendimento. ;Por que o governo não usa esse dinheiro para comprar ventiladores mecânicos para UTIs?;, questionou.

Em carta, a Frente Nacional de Prefeitos (FNP) questionou Bolsonaro se o governo vai orientar estados e municípios a suspenderem imediatamente as restrições de convívio social e se a União assumirá as responsabilidades que cabem aos governos locais, como atendimento direto à população. Os chefes municipais ameaçam ir à Justiça para responsabilizar o presidente por consequências da mudança no isolamento social durante a pandemia.

;Irracional;
Para o economista Gil Castello Branco, da ONG Contas Abertas, a campanha do governo, além de ser uma afronta às orientações da OMS e do próprio Ministério da Saúde, serve tão somente para confundir a população, ;que vai pagar a conta dessa mensagem irracional;. ;É lamentável que, no momento em que todos procuram canalizar recursos para as necessidades imediatas, como máscaras, respiradores, leitos e hospitais, a Presidência da República ou um grupo de irresponsáveis gaste mslhões em uma campanha para desinformar;, criticou. ;A Justiça deveria suspender, imediatamente, a divulgação dessa publicidade, em nome do interesse público.;

Já o advogado Thiago Sorrentino, professor de direito do Estado do Ibmec Brasília, afirmou que a União pode ser responsabilizada se o número de contaminações e mortes pelo coronavírus aumentar. ;Ainda que não se comprove um nexo direto entre a falta de isolamento e o agravamento do quadro, a União pode ser responsabilizada por falhar em combater, com a melhor técnica disponível, a disseminação da doença. É importante ressaltar que o isolamento e a quarentena não são uma decisão puramente discricionária, política, ditada apenas pela preferência dos agentes públicos;, ressaltou.

Secom
Em nota, a Secretaria Especial de Comunicação da Presidência da República (Secom) classificou como ;irresponsável; a divulgação, pela imprensa, do custo e dos objetivos da campanha. Segundo o órgão, o noticiário ;não encontra respaldo nos fatos;, e as informações não foram checadas pelos jornalistas. O comunicado acrescenta que o vídeo que circula desde a quinta-feira nas redes sociais foi ;produzido em caráter experimental, portanto, a custo zero e sem avaliação e aprovação da Secom;.

A nota informa, ainda, que a gravação ;seria uma proposta inicial para possível uso nas redes sociais, que teria de passar pelo crivo do governo;. Segundo a Secom, a peça ;não chegou a ser aprovada e tampouco veiculada em qualquer canal oficial do governo federal;. O órgão também assegura que ;não houve qualquer gasto ou custo nesse sentido;.

Consequências
Na carta, assinada pelo presidente da FNP, Jonas Donizette, a entidade diz que ;a depender da resposta do governo federal ao presente ofício, pois o posicionamento até o momento tem sido dúbio e gerado insegurança na população, não restará outra alternativa aos prefeitos se não recorrer à Justiça brasileira com pedido de transferência ao presidente da República das responsabilidades cíveis e criminais pelas ações locais de saúde e suas consequências;.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação