Politica

Janaina: Forças Armadas podem derrubar Bolsonaro se continuar fazendo graça

A deputada se referiu a uma postagem do chefe do Executivo nas redes sociais, na qual o presidente escuta apelos de uma mulher na saída do Alvorada

Ingrid Soares
postado em 02/04/2020 14:27
 (foto: Minervino Junior/CB/D.A Press)
(foto: Minervino Junior/CB/D.A Press)
A deputada se referiu a uma postagem do chefe do Executivo nas redes sociais, na qual o presidente escuta apelos de uma mulher na saída do AlvoradaA deputada estadual Janaina Paschoal (PSL) afirmou por meio do Twitter, nesta quinta-feira (2/4), que caso o presidente continue ;fazendo graça; com a situação da crise do coronavírus, as Forças Armadas poderão tirá-lo do cargo. A deputada se referiu a uma postagem desta manhã do chefe do Executivo nas redes sociais.

;Se o senhor não parar com essas postagens, os militares vão para a rua para retirar o senhor, com base no artigo 142 da Constituição Federal. Meu povo sofrendo e o senhor fazendo graça. Pelo amor de Deus, amadureça", escreveu a deputada.

Na publicação em questão, Bolsonaro postou um trecho de um vídeo de uma apoiadora que conversou com ele na saída do Palácio da Alvorada. Na filmagem, a mulher se identificou como professora da rede particular. Chorando, disse passar por dificuldades, pediu a Bolsonaro que reabrisse os comércios e colocasse o ;exército nas ruas;.

;Professora em comovente depoimento para o Presidente da República. PEÇO COMPARTILHAR;, escreveu ele nas redes sociais. A própria Organização Mundial da Saúde (OMS) e o Ministério da Saúde adotaram as orientações de isolamento horizontal. Bolsonaro, no entanto, vem reforçando a posição de ataque às medidas de restrição seguidas por governadores.

;Vim aqui pedir para o senhor como mãe. Preciso voltar a trabalhar. Não tem condições da gente viver nessa situação. Vai faltar coisa para os meus filhos dentro da minha casa. Tô aqui pedindo para o senhor, põe esses militares na rua, põe pra esse governador [Ibaneis]. Já decretou de novo mais um mês sem aula, sem nada;, disse ela.

[SAIBAMAIS]A mulher também comentou sobre o auxílio emergencial de R$ 600 que o governo oferecerá a trabalhadores informais para tentar amenizar os impactos econômicos da pandemia do novo coronavírus.

;Eu não quero dinheiro do governo. Eu quero trabalho, minha vida normal. Nós não queremos que o governo banque a nossa vida;. Bolsonaro seguiu calado, ouvindo a mulher.

Ela emendou: ;É difícil para o senhor, porque só tem gente para derrubar. Mas o senhor tem o povo e eu faço parte dele. Eu tô aqui pedindo: põe esse exército na rua, presidente, abre esse comércio. Sou professora e não estou podendo dar aula;, concluiu.

Bolsonaro então foi aplaudido ao dizer que a fala da mulher traduzia o apelo de ;milhares de brasileiros;: ;Você pode ter certeza que a senhora fala por milhares de pessoas;.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação