Politica

Por quebra de quarentena, Kalil vai barrar ônibus em Belo Horizonte

Reabertura do comércio na cidade da Região Metropolitana de Belo Horizonte desagradou ao prefeito da capital, que criticou a medida

Estado de Minas
postado em 02/04/2020 16:56
 (foto: Leandro Couri/EM)
(foto: Leandro Couri/EM)
Reabertura do comércio na cidade da Região Metropolitana de Belo Horizonte desagradou ao prefeito da capital, que criticou a medidaO prefeito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil, afirmou hoje durante o programa Alterosa Alerta que a partir de segunda-feira (6) os ônibus vindos do município de Lagoa Santa serão proibidos de entrar na capital. O motivo seria a reabertura do comércio na última segunda-feira (30), na cidade localizada na região metropolitana, em meio à pandemia de coronavírus.
Kalil disse a decisão foi tomada após conversas com o governador Romeu Zema e com Rogério Cesar de Matos Avelar, prefeito de Lagoa Santa. De acordo com o prefeito de BH, carros, caminhões e ambulâncias poderão passar, mas os ônibus serão barrados. A medida restritiva será imposta a coletivos do município vizinho pela quebra da quarentena recomendada pela Organização Mundial de Saúde (OMS), no sentido de evitar a propagação da COVID-19.

O governador de Minas Gerais publicou em uma rede social que combinou com Kalil a não instalação de barreiras sanitárias em Belo Horizonte: ;Conversei agora com o prefeito de BH, Alexandre Kalil. Ele contou sobre o plano de promover barreiras sanitárias em acessos à capital. Lembrei que a cidade é rota para escoamento de produtos essenciais. Ele se comprometeu a manter os acessos abertos;, informou.
[SAIBAMAIS]

Em resposta, o prefeito de BH confirmou a informação, e provocou: ;Conversei com o governador hoje, e disse: ;Governador, com os hospitais que estamos fazendo ; você, no Expominas, e eu, no Mineirão ;, não dá para atender a festança que está sendo feita em Lagoa Santa;. São 20, 30, 40 ônibus cheios de pessoas que estão lá se abraçando, com o comércio aberto, tomando cerveja em bar, enquanto a população de Belo Horizonte está confinada em aglomerados, vilas, serras, enquanto lá é um balneário de férias. Quando ficarem doentes, sabemos exatamente para onde eles vão mandar;.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação