Politica

Descontentamento na Esplanada: Bolsonaro dispara contra Mandetta

Presidente afirma faltar humildade ao ministro e diz que ele ''extrapolou'' nas suas funções, mas nega a intenção de exonerá-lo. Em mais uma tentativa de conter a crise explícita, o titular da Saúde responde: ''Quem tem mandato popular fala; e quem não tem, trabalha''

Augusto Fernandes, Renato Souza
postado em 03/04/2020 06:00
 (foto: Isac Nóbrega/PR )
(foto: Isac Nóbrega/PR )
O protagonismo de Mandetta, muito elogiado por todos os setores da sociedade, tem incomodado o presidenteNo mais claro sinal de descontentamento com Luiz Henrique Mandetta, o presidente Jair Bolsonaro fez duras críticas ao ministro da Saúde, que vem ganhando destaque em meio ao combate à pandemia de coronavírus. Há semanas, nos bastidores do Planalto, interlocutores apontam uma tentativa do comandante do Executivo de fritar a imagem do médico que atua na linha de frente das medidas adotadas em razão da disseminação da Covid-19 no país. Ontem, em entrevista à Rádio Jovem Pan, o chefe de Estado afirmou que o subordinado ;extrapolou em algum momento;, e completou declarando que Mandetta ;não tem humildade;. Apesar das críticas, ele ressaltou que não pretende demitir o ministro neste momento.

;O Mandetta já sabe que a gente está se bicando há algum tempo. Eu não pretendo demitir o ministro no meio da guerra. Agora, ele é uma pessoa que, em algum momento, extrapolou;, acusou, confessando abertamente a existência de atritos entre os dois que, até então, negava. ;Ele sabe que tem uma hierarquia entre nós. Eu sempre respeitei todos os ministros, o Mandetta também. Ele montou o ministério de acordo com sua vontade. Eu espero que ele dê conta do recado.;

O ;desabafo; de Bolsonaro aconteceu após ele ser perguntado se demitiria Mandetta para escolher um ministro da Saúde que concordasse que a medida de controle à pandemia mais efetiva para o momento seria o isolamento vertical, em que apenas as pessoas do grupo de risco, como idosos, deveriam cumprir confinamento. O presidente tem reiterado esse desejo diariamente, enquanto o ministro cobra cautela.

;O Mandetta quer fazer valer muito a vontade dele. Pode ser que ele teje (sic) certo, pode ser. Mas tá faltando um pouco mais de humildade dele para conduzir o Brasil neste momento difícil que nós nos encontramos e que precisamos dele para que a gente vença essa batalha com o menor número de mortes possível;, enfatizou.

O presidente ainda reclamou que, no Ministério da Saúde, alguns profissionais se contagiaram pelo clima de ;histeria; e de ;pânico; em razão da pandemia e ordenou que ;já está no momento de todos botarem o pé no chão;. ;Se destruir o vírus e destruir também os empregos, nós vamos destruir o Brasil. É isso que nós temos de entender. É como numa guerra. Numa guerra, infelizmente, você perde soldados, e soldados são seres humanos;, argumentou. ;E, aqui, você também vai perder gente, nessa luta contra o vírus. Mas se você fizer dessa forma que alguns governadores e prefeitos estão fazendo, até por orientação do Ministério da Economia (na verdade, da Saúde), o preço vai ser muito alto a ser pago lá na frente.;

Mandetta não polemizou com Bolsonaro. Às críticas do mandatário, disse apenas ;ok; e acrescentou que não comenta o que o presidente da República fala. ;Ele tem mandato popular, e quem tem mandato popular fala, e quem não tem, como eu, trabalha;, resumiu, em entrevista à Folha de S. Paulo. ;Nunca fiz nenhum comentário sobre as ações dele. Não se comenta o que o presidente da República fala.;

Atritos
Desde os primeiros casos de coronavírus no Brasil, Mandetta defende distanciamento social, compra de suprimentos médicos, criação de leitos de UTI, hospitais de campanha e investimento em pesquisa científica para conter a tragédia provocada pela doença na maioria das nações atingidas. Na contramão disso, Bolsonaro descumpre recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS) e do ministro e sai às ruas, juntando aglomerações e anunciando tratamentos que ainda não foram comprovados cientificamente.

A postura técnica de Mandetta agrada parlamentares tanto do governo quanto de oposição e arranca elogios de ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), a ponto de o presidente da Corte, Dias Toffoli, afirmar, em uma das sessões, que ele é ;inamovível; no governo. No entanto, o protagonismo do titular da Saúde incomodou Bolsonaro, que agiu para reduzir a presença dele em coletivas de imprensa, comunicados e boletins sobre a situação epidemiológica do país. Além de os informes terem sido transferidos para o Planalto, a presença de integrantes da área militar do governo nas conferências foi reforçada, mesmo sem ligação direta com o combate à epidemia.

Divisão
Nos bastidores, outros ministros têm mostrado apoio às medidas definidas por Mandetta. Até mesmo parte da ala militar entende a gravidade da crise de saúde pública, social e econômica e defende a postura estratégica do titular da Saúde.

Enquanto outras nações acordaram para a necessidade de isolamento social e a importância de medidas econômicas para socorrer os mais vulneráveis e as empresas, Bolsonaro ainda duvida da gravidade da situação. No entanto, acreditava-se que o atrito no centro do Executivo, que opõe ideologia e realidade científica, não seria levado a público. ;A preocupação minha é o vírus e o desemprego, que não pode ser tratada de forma dissociada. No domingo, eu, como chefe de Estado, como comandante, fui a Ceilândia e Taguatinga ver o povo. É triste e desesperador o que a gente vê, em especial junto aos informais;, frisou. ;Esses levaram uma paulada no meio da testa, com as medidas tomadas por alguns governadores. O que foi, ao meu entender, uma série de medidas exageradas. De 0 a 30 anos, tem 0% de óbito no Brasil; de 30 a 39, tem 3,3% de óbito;, frisou. A saída pelas ruas da capital, no domingo, provocou críticas de Legislativo, Judiciário e entidades da sociedade civil.

Jejum contra a pandemia
O presidente Jair Bolsonaro disse que vai definir um dia de jejum contra a Covid-19: ;Paz, tranquilidade. Para quem tem fé, Papai do céu está conosco, acredite em Deus. E vamos brevemente, de acordo com o que evangélicos e católicos têm pedido para mim, marcar um dia de jejum de todo o povo brasileiro para a gente ficar livre deste mal o mais rápido possível;, afirmou.

Volta do comércio por decreto
O presidente Jair Bolsonaro reforçou que as questões do "vírus e desemprego não podem ser tratadas de forma dissociada" no Brasil e defendeu o afrouxamento das regras de quarentena. Segundo o presidente, se, a partir da próxima semana, "não começar a voltar o emprego, vou ter de tomar uma decisão". Entre as alternativas, Bolsonaro, em entrevista à Rádio Jovem Pan, sugeriu "numa canetada" autorizar o retorno às atividades dos comerciantes. "Eu tenho um projeto de decreto pronto para ser assinado, se for preciso, que considera como atividade essencial toda aquela indispensável para levar o pão para casa todo dia", afirmou o presidente. Segundo ele, "enquanto o Supremo ou o Legislativo não suspender os efeitos do meu decreto, o comércio vai ser aberto. É assim que funciona".

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação